Estudo de caso na pró-reitora de gestão de pessoas da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul: análise através da matriz de risco

André Rodrigo Brites Assunção, Marcelo Ribeiro Silva, Renato de Oliveira Rosa, Patrícia Campeão

Resumo


O gerenciamento de riscos apresenta-se como uma ferramenta que auxilia as organizações a alcançarem seus objetivos estratégicos e de rentabilidade, prevenindo falhas e perdas. O aumento da complexidade de organizações contemporâneas torna esta ferramenta ainda mais importante. Apesar disto, ainda há pouca literatura no Brasil que trata deste tema, resultando em uma heterogeneidade de práticas adotadas pelas diversas organizações. Neste contexto, esta pesquisa busca demonstrar um método simples e prático fundamentado em base teórica, de identificação e avalição de riscos através do mapeamento de processos, visando contribuir para gerenciamento de riscos. Apresenta-se como um estudo de caso realizado na Coordenadoria de Administração de Pessoal da Pró-Reitoria de Gestão de Pessoas Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. A pesquisa embasou-se na experiência do autor e na literatura existente. As rotinas foram avaliadas por meio da necessidade de mapeamento de processo, seu entendimento e relação com controles internos utilizando a ferramenta de controle para a gestão de riscos.


Palavras-chave


Gerenciamento de Risco; Gestão de Pessoas; Mapeamento de Processos.

Texto completo:

PDF

Referências


Associação Brasileira de Normas Técnicas. ABNT. (2009). NBR ISO 31000. Gestão de riscos: Princípios e diretrizes. Rio de Janeiro.

Berry, A.; Phillips, J. (1998). Pulling it Together. Risk Management. New York, v. 45, n. 9, p. 53-58.

Bezerra, F. (2014). Diagrama de Ishikawa: causa e efeito. Portal Administração. Disponível em: . Acesso em: 01 jun. 2017.

Bragg, S. M. 2009. Just-in-time Account: how to decrease costs and increase efficiency. 3ª ed. Hoboken, New Jersey: John Wiley.

Brasil. (2017). Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão – MP. Manual de Gestão de Integridade, Riscos e Controles Internos da Gestão. Brasília.

Brasil. (2016). Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão e a Controladoria-Geral da União. Instrução Normativa Conjunta n.º 1. Dispõe sobre os controles internos, gestão de riscos e governança no âmbito do Poder Executivo federal. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, Seção 1, p. 14.

Brasil. (2017). Ministério da Transparência, Fiscalização e Controladoria-Geral da União. Portaria n.º 915, de 2017. Institui a Política de Gestão de Riscos – PGR do Ministério da Transparência, Fiscalização e Controladoria-Geral da União – CGU. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, Seção 1, p. 66.

Brasil. (2015). Tribunal de Contas da União. Processo de Tomada de Contas-TC n. º 028.192/2014-1. Relatório. Levantamento. Gestão da Dívida Pública Federal. Identificação de Riscos Mais Relevantes e de Questões que Ensejam a Atuação do TCU. Determinação. Arquivamento. Relator: Ministro José Mucio Monteiro, Brasília, DF. Disponível em: . Acesso em 26 de maio 2017.

Bresser-Pereira, L. C. (1996). Da Administração Pública Burocrática à Gerencial. Revista do Serviço Público, v. 120, n. 1, 1996.

Chase, Richard B.; Aquilano, Nicholas J.; Jacobs, F. (2004). Robert. Operations Management for Competitive Advantage. McGraw-Hill Companies.

Coso. (1992). Committe of Sponsoring Organizations of the Treadway Commission. Internal Control – Integrated Framework. New York: AICPA.

Coso. (2007). Enterprise Risk Management – Integrated Framework. Executive Summary. United States. Disponível em: . Acesso em 14 de jan. 2017

Cruz, T. (2009). Sistemas, Métodos & Processos: administrando organizações por meio de processos de negócios. 2ª ed. São Paulo: Atlas.

Daychoum, M. (2010). 40 ferramentas e técnicas de gerenciamento. 3. ed. Rio de Janeiro: Brasport.

De Sordi, J. O. (2008). Gestão por Processos: uma abordagem da moderna administração. 2ª ed. São Paulo: Saraiva.

Del Caño, A.; De La Cruz, M. P. (2002). Integrated methodology for project risk management. Journal of Construction Engineering and Management, [S.l], v. 128, n. 6, p. 473-485.

Dionne, G. (2013). Risk Management: History, Definition, and Critique. Risk Management and Insurance Review. United States, v. 16, n. 2, p. 147- 166.

Federation of European Risk Management Associations. (2003). FERMA. Normas de Gestão de Riscos. Portugal: FERMA.

GIL, A. C. (2002). Como elaborar projetos de pesquisa. 4ª ed. São Paulo, Atlas.

Kutsch, E.; Hall, M. (2009). The Rational Choice of Not Applying Project Risk Management in Information Technology Projects. Project Management Journal. United States, v. 40, n. 3, p. 72-81.

Maanen, J. V. (1979). Reclaiming Qualitative Methods for Organizational Research: A Preface. Administrative Science Quarterly, v. 24, n. 4, p. 520-526.

Manzini, E. J. (1991). A entrevista na pesquisa social. Didática, São Paulo, v. 26/27, p. 149-158. 1991.

Manzini, E.J. (2003). Considerações sobre a elaboração de roteiro para entrevista semi-estruturada. In: MARQUEZINE: M. C.; ALMEIDA, M. A.; OMOTE; S. (Orgs.) Colóquios sobre pesquisa em Educação Especial. Londrina: eduel, p.11-25.

Mattar, F. N. (2001). Pesquisa de marketing. 3.ed. São Paulo: Atlas.

Meireles, M. (2001). Ferramentas administrativas para identificar observar e analisar problemas. Arte & Ciência.

Minayo, M. C.de S. (2009). Pesquisa Social. Teoria, método e criatividade. 28 ed. - Petrópolis, RJ: Vozes.

Pinto, E. da S. S. (2012). Gestão de riscos corporativos em uma empresa de telecomunicações. 2012. 161 f. Dissertação (Mestrado em Administração Profissional) – Faculdades Integradas de Pedro Leopoldo, Minas Gerais.

Ramos, C. H. F. (200(). Análise de Risco Empresarial. Santa Catarina: Qualytool,

Roesch, S. M. A. et al. (2005). Projetos de Estágio e de Pesquisa em Administração. 3ª ed. São Paulo, Atlas.

Rovai, R. L. (2005). Modelo estruturado para gestão de riscos em projetos: estudo de múltiplos casos. 2005. 364 f. Tese (Doutorado em Engenharia de Produção) – Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, São Paulo.

Selltiz, C.; Wrightsman, L. S.; Cook, S. W. (1965). Métodos de pesquisa das relações sociais. São Paulo: Herder.

Teixeira Neto, O. A.; ARAÚJO, V. P. de. (2007). Implementando um modelo de gerenciamento corporativo de riscos em sistemas de transporte de passageiros sobre trilhos. 2007. Disponível em: . Acesso em: 02 fev. 2017.

Triviños, A. N. S. (1987). Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas.

Turner, J. R. (1999). The handbook of project-based management: leading strategic change in organizations. McGraw Hill.

Yin, R. K. (2005). Estudo de caso: planejamento e métodos – 3ª. ed. Porto Alegre: Bookman.




DOI: https://doi.org/10.7769/gesec.v10i2.868

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2019 André Rodrigo Brites Assunção, Marcelo Ribeiro Silva, Renato de Oliveira Rosa, Patrícia Campeão

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

GeSec - Revista de Gestão e Secretariado | São Paulo, São Paulo, Brasil | e-ISSN:2178-9010

Para referências:

R. G. Secr., GESEC.

Licença Creative Commons
Esta Revista está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia