Análise da relação entre valor de mercado e divulgação do relatório de sustentabilidade: um estudo nas empresas de alto potencial poluidor listadas na B3

Marina Alves Rodrigues da Silveira Alves, Risolene Alves de Macena Araújo, Lívia Maria da Silva Santos

Resumo


Esta pesquisa teve como objetivo analisar a relação entre valor de mercado das empresas de alto potencial poluidor listadas na B3 e a divulgação voluntária do relatório de sustentabilidade. A amostra da pesquisa é formada por 37 companhias de capital aberto com ações negociadas na B3, e pertencentes aos setores de alto potencial poluidor, segundo a Lei nº 10.165/2000. Para alcançar o objetivo desta pesquisa, utilizou-se a análise de conteúdo para examinar a divulgação voluntária do relatório de sustentabilidade (DIVRS), no período de 2012 a 2016, bem como a aplicação de regressão múltipla. O resultado não apresentou significância estatística entre a variável independente (DIVRS) e o valor de mercado das empresas, bem como um sinal negativo do coeficiente, ou seja, apresentou relação indireta entre essas variáveis. Sendo assim, houve a rejeição da hipótese de pesquisa (H1: O valor de mercado das empresas de alto potencial poluidor listadas na B3 esta positivamente relacionada com a divulgação voluntária do relatório de sustentabilidade.). Tal resultado contraria a premissa que o fato da empresa divulgar o relatório de sustentabilidade exerceria influência positiva no valor de mercado das empresas. No tocante às demais variáveis (ENDIV, RENT, CRES), elas foram significantes, sendo o endividamento (ENDIV) refletido de forma positiva, enquanto que a rentabilidade (RENT) e crescimento da empresa (CRES), refletidas de forma negativa sobre o valor de mercado; a variável tamanho (TAM) não apresentou significância estatística; e a variável ISE foram omitidas do modelo econométrico por se tratarem de dummies fixas ao longo do painel.

Palavras-chave


Contabilidade; Contabilidade Ambiental; Divulgação Voluntária.

Texto completo:

PDF

Referências


Antunes, M. T. P. (2000). Capital intelectual. São Paulo: Atlas.

Bertoncello, S. L. T., & Júnior, J. C. (2007). A importância da Responsabilidade Social Corporativa como fator de diferenciação. FACOM – Revista da Faculdade de comunicação da FAAP, (17), pp. 70-76.

Raupp, F. M., & Beuren, I. M. (2006). Metodologia da Pesquisa Aplicável às Ciências. Como elaborar trabalhos monográficos em contabilidade: teoria e prática. São Paulo: Atlas.

Bm&Fbovespa. (2018). Empresas Listadas: Relatório de Sustentabilidade ou Similar. Recuperado de: .

Botelho, T. (2006). Responsabilidade social e ambiental: reação do mercado de ações brasileiras. 2006. Dissertação de Mestrado em Administração, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro – PUC, Rio de Janeiro, Brasil.

Braga, J. P., Oliveira, J. R. S., & Salotti, B. M. (2009). Determinantes do Nível de Divulgação Ambiental nas Demonstrações Contábeis de Empresas Brasileiras. Revista de Contabilidade da UFBA, 3(3), pp. 81-95.

Cavalcante, L. R. M. T., Bruni, A. L., & Costa, F. J. M. (2007). Sustentabilidade Empresarial e Desempenho Corporativo: Uma Análise do Mercado Brasileiro de Ações. Anais do Encontro da ANPAD, RJ, Brasil, 31.

Cintra, Y. C. (2011). A integração da sustentabilidade às praticas de controle gerencial das empresas no Brasil. 2011. Tese de Doutorado em Ciências Contábeis, Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil.

Clarkson, P. M., Fang, X., Li, Y., & Richardson, G. (2013). The relevance of environmental disclosures: Are such disclosures incrementally informative? Journal of Accounting and Public Policy, 32(5), pp. 410-431.

Corrêa, M. D. (2009). Relação entre o nível de divulgação ambiental e o desempenho ambiental das empresas componentes do índice Bovespa. Dissertação de Mestrado em Contabilidade, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, Brasil.

Cruz, P. R. (2005). Responsabilidade social e imagem empresarial: o discurso da U&M Mineração e Construção S/A. Juiz de Fora: UFJF; Facom; 2005, f. 114. Projeto Experimental do Curso de Comunicação Social / Jornalismo (Bacharelado).

Cunha, J. V. A., & Ribeiro, M. S. (2008). Divulgação voluntária de informações de natureza social: um estudo nas empresas brasileiras. Revista de Administração – Eletrônica, 1(6), pp. 1-23.

Dahlsrud, A. (2008). How corporate social responsibility is defined: an analysis of 37 definitions. Corporate social responsibility and environmental management, 15(1), pp. 1-13.

Deegan, C. (2002). The legitimizing effect of social and environmental disclosures: a the oretical foundation. Accounting, Auditingand Accountability Journal, Bradford, 15(3), pp. 282-311.

Dias Filho, J. M. (2007). Políticas de Evidenciação Contábil: Um Estudo do Poder Preditivo e Explicativo da Teoria da Legitimidade. Anais do Encontro Nacional dos Programas de Pós Graduação em Administração - ANPAD, Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil, 31.

Driscoll, J. C., & Kraay A. C. (1998). Consistent Covariance Matrix Estimation with Spatially Dependent Panel Data. Review of Economics and Statistics, 80.

Farias, M. R. S. (2004). Divulgação do passivo: um enfoque sobre o passivo 15 contingente no setor químico e petroquímico brasileiro. Dissertação Mestrado em Ciências Contábeis, Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil.

Fernandes, S. M. (2013). Fatores que Influenciam o Disclosure Ambiental: Um Estudo nas Empresas Brasileiras no Período de 2006 a 2010. Revista Ambiente Contábil, Natal/RN, 5(2), pp. 250-267.

Field, A. (2009). Descobrindo a Estatística Usando o SPSS. 2 ed. Porto Alegre: Artmed.

Figueiredo Filho, D. B., & Silva Junior, J.A. (2009). Desvendando os Mistérios do Coeficiente de Correlação de Pearson (r). Revista E-Xacta (online), 18(1).

Gil, A. C. (2008). Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. 6. ed. São Paulo: Atlas.

Gordon, L. A., Loeb, M. P., & Sohail, T. (2010). Market value of voluntary disclosures concerning information security. MIS Quarterly, 34(3), pp. 567-594.

GRI – Global Reporting Initiative. (2013). Diretrizes para Relatório de Sustentabilidade. Recuperado de: .

GRI – Global Reporting Initiative. (2015). Manual de Implementação. Disponível em: .

Hendriksen, E. S., & Van Breda, M. F. (1999). Teoria da Contabilidade. 5ª ed., São Paulo: Atlas.

Huang, C. L., & Kung, F. H. (2010). Drivers of environmental disclosure and stakeholder expectation: evidence from Taiwan. Journal of Business Ethics, 96(3), pp. 435-451.

Ho, C. (2005). Corporate governance and corporate competitiveness: na international analysis. Corporate Governance: An International Review, 13(2), pp. 211-253.

Lima, et al. (2012). Contabilidade ambiental: um estudo sobre a evidenciação das informações ambientais nas demonstrações contábeis das grandes empresas brasileiras. Revista Eletrônica de Administração (Online), 11(1), pp. 1-14.

Lima, G. A. S. F. (2007). Utilização da Teoria da Divulgação para avaliação da relação do nível de disclosure com o custo da dívida das empresas brasileira. Tese de Doutorado em Controladoria e Contabilidade, Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo, São Paulo/SP, Brasil.

Lucena, W. G. L., & Pereira, M. L. (2016). Determinantes da divulgação voluntária do relatório de sustentabilidade nas empresas de energia elétrica e telecomunicações listadas na BM&FBOVESPA. Anais do Congresso Brasileiro de Custos, Porto de Galinas, Pernambuco, Brasil, 23.

Magalhães, S. R., & Andrade, E. A. (2009). Testes à igualdade dos parâmetros de um modelo de regressão: uma aplicação especial das variáveis binárias (dummy). Revista E-Xacta (online), 2(3).

Monteiro, P. R. A., & Ferreira, A. C. S. (2007). A evidenciação da informação ambiental nos relatórios contábeis: um estudo comparativo com o modelo do ISAR/UNCTAD. Revista de Gestão Social e Ambiental, 1(1), pp. 82-101.

Missio, F. J. (2012). Câmbio Real e Crescimento: Novas Evidências Empíricas. Anais do Encontro Internacional da Associação Keynesiana Brasileira Keynesiana, São Paulo, SP, Brasil, 5.

Morais, C. M., De Aquino, G. A. Z., Ferrarezi, J. R. H., Gehlen, K. R. H, & Dos Reis, L. G. (2015). Relatórios de Sustentabilidade: Uma Análise Bibliométrica da Produção Acadêmica Brasileira. Anais do Encontro Internacional Sobre Gestão empresarial e Meio Ambiente - ENGEMA, São Paulo, SP, Brasil, 17.

Moreira, N. B., Dias Filho, J. M., Gomes, S. M. S., & Conceição, M. G. (2014). Fatores que impactam a divulgação voluntária de informações socioambientais na percepção dos gestores. Reunir: Revista de Administração, Contabilidade e Sustentabilidade, 4(1), pp. 62-82.

Murcia, F. D., & Santos, A. (2009). Fatores determinantes do nível de disclosure voluntário das companhias abertas no Brasil. Revista de Educação e Pesquisa em Contabilidade, 3(2), pp. 72-95.

Nagano, R. T., Kassai, J. R., Kussaba, C. T., & Carvalho, L. N. G. (2014). A Evolução dos relatórios de sustentabilidade e a necessidade da Obrigatoriedade de sua asseguração por terceiros. Anais do II Simpósio Internacional de Gestão de Projetos e I Simpósio Internacional de Inovação e Sustentabilidade, São Paulo, SP, Brasil.

Neves Junior, I. J., Lima, R. R., & Lima, T. R. (2012). Valor da Empresa e sua Relação com a estrutura de capital, rentabilidade: um estudo empírico das 1000 empresas melhores listadas na Revista Exame. Anais do Simpósio de Gestão da Inovação Tecnológica - SEGeT, Resende, RJ, Brasil, 8.

Nogueira, L. R.T., Curi, M. A., & Nuintin, A. A. (2012). Relação da rentabilidade e da liquidez com o valor de mercado das empresas brasileiras de capital aberto: estudo do setor de energia elétrica. Revista de Administração da UEG, 3(1), pp. 75-97.

Nossa, V. (2002). Disclosure ambiental: uma análise do conteúdo dos relatórios ambientais de empresas do setor de papel e celulose em nível internacional. Tese de Doutorado em Ciências Contábeis, Universidade de São Paulo, SP, Brasil.

Rover, S., Borba, J. A., & Murcia, F. D. (2009).Características do disclosure ambiental de empresas brasilei¬ras potencialmente poluidoras: análise das demonstrações financeiras e dos relatórios de sustenta¬bilidade do período de 2005 a 2007. Revista Contemporânea de Economia e Gestão, 7(1), pp. 23-36.

Rufino, M. A., & Monte, P. A. (2014). Fatores que explicam a divulgação de informações voluntárias das 100 empresas com ações mais negociadas na BM&FBOVESPA. Anais do Congresso Anpcont, Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 8.

Santos, L. M. S. (2016). Fatores explicativos da evidenciação de informações ambientais das empresas potencialmente poluidoras listadas na BM&FBovespa. Dissertação de Mestrado em Ciências Contábeis, Universidade Federal da Paraiba, João Pessoa, PB, Brasil.

Santos, L. M. S., Araújo, R. A. M., & Leite Filho, P. A. M. (2016). Divulgação voluntária e o valor de mercado: um estudo nas empresas brasileiras de construção civil listadas na BM&FBovespa. Anais do Congresso Anpcont, Ribeirão Preto, SP, Brasil, 10.

Silva, J. P., & Silva, D. C. (2017). Análise da relação entre estrutura de capital, crescimento, lucratividade e valor de mercado das companhias brasileiras de capital aberto. RMC - Revista Mineira de Contabilidade, Belo Horizonte, 18(1), pp. 15-25.

Slewinski, E., Gonçalves, M. N., & Sanches, S. L. R. (2015). Determinantes da divulgação do relatório de sustentabilidade ou do relato integrado das empresas listadas na BM&FBovespa. Anais do Congresso Anpcont, Curitiba, PR, Brasil, 9.

Sousa, C. B. (2013). Valor de Mercado e disclosure voluntário: estudo empirico em companhias listadas na B3. Dissertação de Mestrado em Ciências Contábeis, Fundação Escola de Comercio Armando Álvares Penteado – FECAP, São Paulo/SP, Brasil.

Sousa, C. B., Silva, A. F., Ribeiro, M. S., & Weffort, E. F. J. (2014). Valor de mercado e disclosure voluntário: estudo empírico em companhias listadas na BM&FBOVESPA. Revista Ambiente Contábil, 6(2), pp. 94-115.

Souza, M. A., Rásia, K. A., & Jacques, F. V. (2010). Evidenciação de informações ambientais pelas empresas integrantes do índice de sustentabilidade empresarial – ISE. Revista de Contabilidade e Controladoria, 2(1), pp. 75-139.

Tinoco, J. E. P. (2010). Balanço social e o relatório de sustentabilidade. São Paulo: Atlas.

Uyar, A., & Kiliç, M. (2012). Value relevance of voluntary disclosure: evidence from Turkish firms. Journal of Intellectual Capital, 13(3), pp. 363-376.

Vaz, A. C., Gonçalves, R. S., Niyama, J. K., & Gonçalves, A. O. (2010). Análise Comparativa Sobre Informações Voluntárias Divulgadas: O Social Disclosure das Empresas Latino-Americanas Listadas na Nyse. Revista de Educação e Pesquisa em Contabilidade - REPEC, 4(1), pp. 38-59.

Verrecchia, R. (2001). Essays on disclosure. Journal of Accounting and Economics, 32, pp. 97-180.

Salotti, B. M., & Yamamoto, M. M. (2008). Divulgação voluntária da demonstração dos fluxos de caixa no mercado de capitais brasileiro. Revista Contabilidade & Finanças, 19 (48), pp. 37-49.

Zaro, E. S., Pastre, F., & Albeton, L. (2015). Asseguração dos relatórios de sustentabilidade das empresas que compõem a carteira do índice de sustentabilidade empresarial 2013. Revista de Contabilidade do Mestrado em Ciências Contábeis da UERJ (online), 20 (1), pp. 47-63.




DOI: https://doi.org/10.7769/gesec.v10i2.850

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2019 Marina Alves Rodrigues da Silveira Alves, Risolene Alves de Macena Araújo, Lívia Maria da Silva Santos

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

GeSec - Revista de Gestão e Secretariado | São Paulo, São Paulo, Brasil | e-ISSN:2178-9010

Para referências:

R. G. Secr., GESEC.

Licença Creative Commons
Esta Revista está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia