Desafios e possibilidades da implantação da metodologia sala de aula invertida: Estudo de caso em uma Instituição de Ensino Superior privada

Autores

  • Paulo Rodrigues Milhorato Faculdades Pitágoras
  • Eloísa Helena Rodrigues Guimaraes Fundação Pedro Leopoldo

DOI:

https://doi.org/10.7769/gesec.v7i3.607

Palavras-chave:

Sala de aula invertida, Sociedade do conhecimento, Tecnologia

Resumo

Mudança é palavra que caracteriza a passagem da sociedade industrial para a sociedade do conhecimento. Neste sentido, faz-se necessário repensar os processos educacionais, vistos como alternativa para suprir a lacuna entre o ensino tradicional e as demandas da sociedade atual.  Nesse cenário, surge como possibilidade o modelo proposto por Eric Mazur, nos anos 1990, denominado sala de aula invertida, que utiliza a tecnologia como apoio ao ensino. Assim, este artigo tem como objetivo descrever os impactos da metodologia sala de aula invertida em um Instituição de Ensino Superior (IES) Privada. A metodologia de pesquisa baseou-se em uma abordagem qualitativa e quantitativa e utilizou dados colhidos por meio de questionário disponibilizado na ferramenta  google docs e/ou impressos, aplicado aos alunos de uma unidade da Faculdade Pitágoras, localizada na região metropolitana de Belo Horizonte, em entrevistas com professores envolvidos e observação participante. Os resultados revelam que o perfil do aluno é favorável à aplicação do modelo sala de aula invertida: são jovens e em constante contato com a tecnologia. Entretanto sua rotina diária, uma formação de base deficiente e a necessidade de trabalhar para custear uma IES privada tornam complexa a aplicação deste modelo. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Paulo Rodrigues Milhorato, Faculdades Pitágoras

Mestre em Administração pela Fundação Pedro Leopoldo. Professor da Faculdade Pitágoras.

Eloísa Helena Rodrigues Guimaraes, Fundação Pedro Leopoldo

Doutora em Linguística pela Universidade Federal de Minas Gerais. Professora do Mestrado Profissional em Administração da Fundação Pedro Leopoldo.

Referências

Allan, L. M. (2014, fevereiro 08) Educação 3.0: estamos prontos? Editora Abril: Educar para crescer. Recuperado de http://educarparacrescer.abril.com.br/gestao-escolar/educacao-3-0-estamos-prontos-696380.shtml.

Bergmann, J., & Sams, A. (2012). Flip your classroom: Reach every student in every class every day. International Society for Technology in Education.

Davidson, C. N. (2011). Now You See It: How Technology and Brain Science Will Transform Schools and Business for the 21s t Century. Penguin.

Educause Learning Initiative. (7). Things you should know about flipped classrooms. EDUCAUSE Creative Commons.

Fava, R. (2011). Educação 3.0: como ensinar estudantes com culturas tão diferentes (2a ed.). Cuiabá: Carlini e Caniato Editorial.

Gil, A. C. (2002). Como elaborar projetos de pesquisa (4a ed.). São Paulo: Atlas.

Kaplún, M. (1985). El Comunicador popular (No. 302.2 K17c). Quito, EC: Edit. Belén.

Keats, D., & Schmidt, J. P. (2007). The genesis and emergence of Education 3.0 in higher education and its potential for Africa. First Monday, 12(3).

Kenski, V. (2007) Educação e tecnologias: o novo ritmo da informação. Campinas: Papirus.

Lage, M. J., Platt, G. J., & Treglia, M. (2000). Inverting the classroom: A gateway to creating an inclusive learning environment. The Journal of Economic Education, 31(1), 30-43.

Lengel, J. (2012, novembro 07) Educação 3.0. Estadão: Educação (on-line). Recuperado de http://educacao.estadao.com.br/noticias/geral,artigo-educacao-30,956582.

Mazur, E. (1991). Can we teach computers to teach. Computers in Physics,5(1), 31-38.

Pireddu, M. (2008). Do fornecimento à participação. O aprendizado entre modelos teóricos e tecnologias. Do público para as redes: a comunicação digital e as novas formas de participação social, 1.

Souza, A. A. N. (2015). O Facebook como ambiente de aprendizagem: uma análise da praxis presencial mediada pelo conectivismo pedagógico.(Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Sergipe, Aracaju, SE, Brasil). Recuperado de https://bdtd.ufs.br/bitstream/tede/1649/1/ADRIANA_ALVES_NOVAIS_SOUZA.pdf.

Strayer, J. F. (2007). The effects of the classroom flip on the learning environment: A comparison of learning activity in a traditional classroom and a flip classroom that used an intelligent tutoring system (Doctoral Dissertation, The Ohio State University).

Tapscott, D., & Williams, A. (2010). Innovating the 21st-century university: It’s time! Educause review, 45(1), 16-29.

Trevelin, A. C., Pereira, M. A. A., & Oliveira Neto, J. D. (2013). A utilização da “sala de aula invertida" em cursos superiores de tecnologia: comparação entre o modelo tradicional e o modelo invertido "flipped classroom" adaptado aos estilos de aprendizagem. Revista de estilos de aprendizaje, 12(12), 137-150.

Valente, J. A. (1999). Mudanças na sociedade, mudanças na educação: o fazer e o compreender. O computador na sociedade do conhecimento, 1, 29-48.

Valente, J. A. (2007). A crescente demanda por trabalhadores mais bem qualificados: a capacitação para a aprendizagem continuada ao longo da vida. In J. A. Valente, J. Mazzone, & M. C. C. Baranauskas (Orgs.). Aprendizagem na era das tecnologias digitais. São Paulo: Cortez, FAPESP.

Valente, J. A. (2014). Blended Learning e as mudanças no Ensino Superior: a proposta da sala de aula invertida. Educar em Revista, 79-97.

Vergara, S. C. (2004) Projetos e Relatórios de Pesquisa em Administração (5a ed.). São Paulo: Atlas.

Womack, J. P., Jones, D. T., & Roos, D. (1991). The Machine that Change the World. New York: Harper Perennial.

Downloads

Publicado

2016-12-05

Como Citar

Milhorato, P. R., & Guimaraes, E. H. R. (2016). Desafios e possibilidades da implantação da metodologia sala de aula invertida: Estudo de caso em uma Instituição de Ensino Superior privada. Revista De Gestão E Secretariado, 7(3), 253–276. https://doi.org/10.7769/gesec.v7i3.607

Edição

Seção

Artigos