CENÁRIO DOS CURSOS A DISTÂNCIA DE SECRETARIADO NO BRASIL

Autores

  • Bruna Beatriz Locks Universidade Regional de Blumenau - FURB
  • Thaíse Caroline Milbratz Universidade Regional de Blumenau - FURB
  • Vilmar Siewert Junior Universidade Regional de Blumenau - FURB
  • Maria José Carvalho de Souza Domingues Universidade Regional de Blumenau - FURB

DOI:

https://doi.org/10.7769/gesec.v8i2.583

Palavras-chave:

Secretariado, Curso Superior, Educação a Distância, EaD

Resumo

Devido a carência de estudos científicos na área de Secretariado, percebeu-se uma lacuna na verificação do atual cenário do curso no país. Desta maneira, o objetivo deste estudo foi elaborar um panorama dos cursos de Secretariado, e suas variantes (Secretariado Executivo, Secretariado Executivo Bilíngue e Secretariado Executivo Trilíngue), na modalidade a Distância – EaD – e assim, sugerir os rumos do curso no Brasil. Em termos metodológicos, a pesquisa apresenta abordagem quantitativa, sendo que os principais procedimentos de investigação se deram a partir de dados secundários, retirados do portal do MEC (2015), Enade (2012) e INEP (2014). Os principais resultados remetem a uma crescente expansão dos cursos tecnológicos de Secretariado a distância no país, uma vez que os cursos na modalidade Presencial vêm enfrentando uma redução em sua oferta. Outro resultado levantado no estudo refere-se as redes de distribuição que as Instituições de Ensino Superior -IES- que ofertam o curso nas regiões do país formam, apontando para uma dominação de Instituições Privadas e com sede nas regiões Sul e Sudeste do Brasil.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bruna Beatriz Locks, Universidade Regional de Blumenau - FURB

Mestranda em Administração da Universidade Regional de Blumenau - FURB

Graduada em Secretariado Executivo Bilíngue pela Universidade Regional de Blumenau – FURB

Thaíse Caroline Milbratz, Universidade Regional de Blumenau - FURB

Mestranda em Administração da Universidade Regional de Blumenau – FURB

MBA em Gestão Financeira, Auditoria e Controladoria - FGV

Graduada em Administração pela Universidade Regional de Blumenau - FURB 

Vilmar Siewert Junior, Universidade Regional de Blumenau - FURB

Mestrando em Administração da Universidade Regional de Blumenau - FURB
Graduado em Ciências Econômicas pela Universidade Regional de Blumenau - FURB

Maria José Carvalho de Souza Domingues, Universidade Regional de Blumenau - FURB

Doutorado em Engenharia de Produção pela Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC

Mestrado em Administração pela Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC
Graduada em Administração pela Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC

Professora titular da Universidade Regional de Blumenau – FURB

Referências

Benetti, K. C. (2008). Competências docentes para EAD: análise da realidade do curso de graduação em Administração a distância da Universidade Federal de Santa Catarina.

Bilert, V. S., & Biscoli, F. V. (2011). Executive Secretariat Students´ Profile (freshmen and seniors): A comparative study in public education institutions. Revista de Gestão e Secretariado, 2(2), 33.

BRASIL. MEC, CNE. Resolução n°. 3, de 23 de Junho de 2005. Institui as diretrizes curriculares para os cursos de graduação em Secretariado Executivo e dá outras providências. Brasília. DF, 2005 Disponível em:< http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/rces003_05.pdf>. Acesso em: 11 fev. 2016.

Cielo, I. D., Schmidt, C. M., & Wenningkamp, K. R. (2014). Secretariado Executivo no Brasil: Quo Vadis? Revista de Gestão e Secretariado, 5(3), 49.

FEDERAÇÃO NACIONAL DOS SECRETÁRIOS E SECRETÁRIAS – FENASSEC. (2015). Histórico da Profissão. Disponível em: <http://www.fenassec.com.br/b_osecretariado_historico.html>. Acesso em: 15 fev. 2016.

Hair Jr, J. F., Babin, B., Money, A. H., & Samouel, P. (2005). Fundamentos de métodos de pesquisa em administração. Bookman.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE. (2016). Estatísticas do Cadastro Central de Empresas ano 2009. Rio de Janeiro: IBGE.

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS – INEP. (2014). Censo da educação superior 2012: resumo técnico. Brasília, DF: Instituto Nacional de Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, 133.

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA – IPEA. (2013). Radar: tecnologia, produção e comércio exterior 2009-2012. Diretoria de Estudos e Políticas Setoriais, de Inovação, Regulação e Infraestrutura. Brasília, n. 1.

Lacerda, L. L. V. d., & Ferri, C. (2015). Relationships between teaching quality indicators and student performance in Brazilian undergraduate courses of Pedagogy in the National Student Performance Exam (Enade). Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, 96(242), P.129-145.

Lobato, M. G. S., Caldas, Y. P., & Costa, A. J. S. (2016). Mercado de Trabalho e Empregabilidade sob a Lógica do Capital: Representações Sociais do Secretário Executivo no Amapá. Revista de Gestão e Secretariado, 7(1), P.01-26.

Lourenço, F., Moreira, K. D., & Martins, C. (2014). Panorama do mercado de trabalho catarinense para o profissional de secretariado. In: Anais do VII Encontro Nacional de Estudantes de Secretariado, Salvador, BA, Brasil.

Maçaneiro, M. B., & Kuhl, M. R. (2013). State of the art and the direction of scientific knowledge in the executive secretariat: Mapping and analysis of research areas. Revista de Gestão e Secretariado, 4(3), 157.

Malhotra, N. K. (2012). Pesquisa de Marketing: uma orientação aplicada. Porto Alegre: Bookman.

Mattos, J. E. G., & Barbosa, D. M. F. (2015). Educação a distância: desafios no ensino superior. Maiêutica-Cursos de Gestão, 3(1).

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO – MEC. (2015). Portal do MEC. Disponível em:< http://portal.mec.gov.br/. Acesso em 25 de dezembro de 2015.

Moran, J. M. (2002). A educação superior a distância no Brasil. São Paulo: USP.

Moreira, K. D., dos Santos, A. K., & Neto, L. M. (2015). Profissional de Secretariado Empreendedor: Um Agente de Mudança. Revista de Gestão e Secretariado, 6(1), 168.

Neves, M. d. C. d. O. (2008). Introdução ao secretariado executivo. Rio de Janeiro: Tmaisoito.

Nonato Júnior, R. (2009). Epistemologia e teoria do conhecimento em secretariado executivo: a fundação das ciências da assessoria. Fortaleza: Expressão Gráfica.

Nunes, I. B. (2009). A história do EaD no Mundo. In: LITTO, F.; FORMIGA, M. (Org.). Educação a distância: o estado da arte. São Paulo, SP: Pearson Education do Brasil. P. 2-9

Oliveira, A. C. B. (2015). Ensino à distancia: novas práticas pedagógicas, novas habilidades de aprendizado. Paper presented at the 6º Seminário Nacional do EDaPECI.

Paes, R. V. O., de Souza Antunes, C. K., da Silva Santiago, C., & Zwierzikowski, M. R. (2015). Novas Formas de Atuação do Profissional de Secretariado Executivo. Revista de Gestão e Secretariado, 6(1), 99.

Pereira, J. M. (2008). Políticas públicas de educação no Brasil: a utilização da EAD como instrumento de inclusão social. Journal of Technology Management and Innovation, 3, P. 44-55.

Preti, O. (1996). Educação a Distância: uma prática educativa mediadora e mediatizada. NEAD/IE/UFMT. Cuiabá: UFMT.

Ribeiro, N. D. L. A. (2002). Secretariado: do escriba ao gestor: um estudo sobre o novo perfil do profissional de secretariado. São Luis: Edfama.

Sabino, R. F., & Rocha, F. G. (2004). Secretariado: do escriba ao web writer- a história, a evolução e as novas competências do secretariado do 3º milênio. Rio de Janeiro: Brasport.

Takahashi, A. R. W. (2010). Cursos superiores de tecnologia em gestão: reflexões e implicações da expansão de uma (nova) modalidade de ensino superior em administração no Brasil. Revista de administração pública, 44(2), 385-414.

Vilarinho, L. R. G., & Paulino, C. L. (2010). Educação a Distância no Ensino Superior Brasileiro: das experiências pioneiras ao sistema de rede. Revista Eletrônica de Educação, 4(1), 64-79.

Downloads

Publicado

2017-08-01

Como Citar

Locks, B. B., Milbratz, T. C., Siewert Junior, V., & Domingues, M. J. C. de S. (2017). CENÁRIO DOS CURSOS A DISTÂNCIA DE SECRETARIADO NO BRASIL. Revista De Gestão E Secretariado, 8(2), 59–75. https://doi.org/10.7769/gesec.v8i2.583

Edição

Seção

Artigos