Conflitos Socioambientais Urbanos: Um Estudo Prospectivo na Região Metropolitana de São Paulo

Mauro Silva Ruiz, José Maria Bernardelli Jr., Cristiano Capellani Quaresma, Maurício Lamano Ferreira

Resumo


Regiões metropolitanas em nível mundial vêm enfrentando mudanças significativas em seus processos de uso e ocupação do solo tornando-as palco de conflitos socioambientais crescentes. Considerando que esses embates vêm ganhando expressão em regiões densamente ocupadas em nosso país, se delineou como objetivo desse estudo verificar as suas origens e formas de manifestação na Região Metropolitana de São Paulo (RMSP) com vistas a entendê-los, classificá-los e analisá-los. A questão norteadora da pesquisa foi: quais as origens dos principais conflitos socioambientais que se manifestam na Região Metropolitana de São Paulo e como eles podem ser classificados e analisados à luz da literatura existente? Como metodologia, este trabalho baseou-se em revisão bibliográfica e análise documental. Como resultado, constatou-se cinco origens ou formas de manifestação mais comuns, por vezes sobrepostas, relacionadas a: (i) urbanização periférica e desigual; (ii) operação urbana; (iii) ocupação irregular em áreas protegidas; (iv) danos e passivos ambientais; e (v) degradação de recursos hídricos. Observou-se que, não raro, suas origens e manifestações relacionam-se a deficiências na aplicação e gestão de políticas públicas. Além disso, constatou-se também uma diversidade considerável de abordagem desses conflitos, o que impõe desafios para organizar esta temática de acordo com um ou mais princípios teóricos.

 


Palavras-chave


Meio Ambiente; Conflitos Socioambientais; Regiões Metropolitanas; Planejamento Urbano e Regional

Texto completo:

PDF

Referências


Agência Nacional de Águas. (n.d.). Renovação da Outorga do Sistema Cantareira. Recuperado em 1 de junho, 2016, de http://www2.ana.gov.br/Paginas/servicos/outorgaefiscalizacao/renovacaocantareira.aspx

Alonso, A. & Costa, V. (2002). Por uma Sociologia dos conflitos socioambientaisno Brasil. Ecología Política: naturaleza, sociedad y utopía. [S. l.]: CLACSO. Recuperado em 05 setembro, 2011, de: .

Araújo, L. A. (1999). Perícia ambiental em ações civis públicas. In S. B. Cunha & A. J. T. Guerra (orgs.). Avaliação e perícia ambiental. (pp. 174-215). Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Araujo, J. M, & Gunther, W. M. R. (2009). Riscos à saúde em áreas contaminadas: contribuições da teoria social. Saúde e sociedade, 18(2) 312-324.

Autor et al. (2012).

Baechler, G. (1988). Why environmental transformation causes violence. Environmental Change and Security Project Report, 4, 24-44.

Bastos, A.C. S. & Freitas, A. C. (1999). Agentes e processos de interferência, degradação e dano ambiental. In S. B. Cunha & A. J. T. Guerra (orgs.). Avaliação e perícia ambiental. (pp.17-75). Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Bauer, A. R., Trent, B. A. & Dumontelle, P. (2006). Mine subsidence: facts or homeowners. Environmental Geology. n. 144, Illinois State Geological Survey, Champaign, IL., 16p.

Berlinck, C., Caldas, A., Monteiro, A. & Saito, C. (2009). Contribuição da educação ambiental na explicitação e resolução de conflitos em torno dos recursos hídricos. Ambiente e Educação, 8(1), 117-129.

Bernardelli Júnior, J. M. (2013). Conflitos socioambientais urbanos na APA Bororé – Colônia: O caso do Parque Natural Municipal Itaim. 144 fls. Dissertação (Mestrado). Universidade Nove de Julho, São Paulo.

Bernardelli Júnior, J. M., Ruiz, M. S. & Correa, R. (2012). Conflitos Socioambientais Urbanos: Caracterização e Análise dos Embates Relacionados ao Adensamento Humano Rumo aos Contrafortes da Cantareira. In: Encontro Nacional de Pesquisadores, 6., 2012, São Paulo. Anais.... São Paulo: PUC, 2012. p. 1-17.

Bobbio, N., Matteucci, N. & Pasquino, G. (1986). Dicionário de política. Brasília: Editora da UnB, 2 ed,. 1.318p.

Braga Neto, A. (2011). Mediação de conflitos e políticas públicas – a experiência com a mediação comunitária em distritos de alta vulnerabilidade da Grande São Paulo. Rio Grande: Âmbito Jurídico. Recuperado em 27 junho, 2011, de: .

Bredariol, C. S. (2004). O aprendizado da negociação em conflitos ambientais. Anais do Encontro Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Ambiente e Sociedade, Indaiatuba, SP, Brasil, 2. Recuperado em 27 junho, 2011, de: .

Camargo, S. (2007). Mediação ambiental. Jornal do Instituto de Engenharia, 4,(39).

Carvalho, R. C. (2005). Gestão dos recursos hídricos: conflito e negociação na questão das águas transpostas da Bacia do Paraíba do Sul. Tese de Doutorado, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Castro, F. (2009). Urbanização dispersa e mudanças no tecido urbano: Estudo de caso: Estado de São Paulo. São Paulo: Agência FAPESP.

Cervo, A. C. & Bervian, P. A. (1996). Metodologia científica. (4a ed.) São Paulo: Makron.

Cimbalista, S. N. (2002). Temas especiais: A influência da tecnologia na geração de conflitos no trabalho. Análise Conjuntural, 24(9-10), [S. l.]. Recuperado em 19 janeiro, 2012, de: .

Cherry, T., L. & Cotten S. J. (2011). Sleeping with the enemy: the economic costs of internal environmental conflict. Economic Inquiry, 49, (2), 530-539.

Costa, G. V. L. (2011). As reservas biológicas como mecanismo de controle estatal. Revista de Sociologia e Política,19(38), 159-170.

Coulon, F. K. (1990). Fenômeno de Subsidência: Acidente em Criciúma - SC. Anais do Simpósio Sobre Risco Geológico Urbano. São Paulo, SP, Brasil, 1.

Cunha, I. (2006). Oficina de negociação ambiental - material de apoio. Curitiba, PR, Brasil.

Cunha, I. A. (2001). Conflito ambiental na costa de São Paulo: o Plano Diretor de São Sebastião. Saúde e Sociedade, 10(1),15-31. Dahrendorf, R. (1963). Classi e conflitto di classe nella società industriale. Bari: Laterza.

Dias, G. F. (2000). Educação Ambiental princípios e práticas. São Paulo: Gaia, 2000.

Dolan, R. & Goodel, H. G. (1986). Sinking cities. American Scientist, (74).

Dumontelle, P. B., Bradford, S. C., Bauer, R. A. & Killey, N. B. (1981). Mine subsidence in Illinois: facts for the homeowner considering insurance. Environmental Geology Notes. N. 99, 24p., Illinois State Geological Survey, Champaign, IL.

Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina - FIESC. [S. l.]. Solvay terá de descontaminar depósito de cal contaminada por dioxina em Santo André (SP). FIESCnet. Florianópolis. Recuperado em 14 junho, 2011, de: < http://www.fiescnet.com.br/gestaoambiental/noticias/9-solvay.htm>.

Formosinho, S. J., Pio, C. A., Barros, J. H. & Cavalheiro, J.R. Parecer relativo ao tratamento de resíduos industriais perigosos. Recuperado em 18 maio, 2002, de: .

Fracalanza, A. P. (2002, novembro). Reservatório Billings: apropriação da água, conflitos e gestão. Anais do Encontro Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Ambiente e Sociedade, Indaiatuba, SP, Brasil, 1.

Freitas, C. M. de, Porte, M. F. de S. & Gomez, C. M.. (1995). Acidentes químicos ampliados: um desafio para a saúde pública. Revista de Saúde Pública, 29(6), 503-514.

Fuks, M. (1997). Arenas de ação e debate públicos: os conflitos socioambientaise a emergência do meio ambiente enquanto problema social no Rio de Janeiro (1985-1992).Tese de Doutorado, Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Galvão Filho, J. B. (2001). A gestão de conflitos socioambientaisno uso dos recursos naturais. Revista Banas Ambiental, 2(11). Recuperado em 20 junho, 2011, de: < http://www.consultoriaambiental.com.br/artigos/a_gestao_de_conflitos_ambienteais_no_uso_dos_recursos_naturais.pdf>.

Gerasidi, A., Apostolaki, S., Manoli, E., Assimacopolulo, D. & Vlachos, E. (2009). Towards the formulation of a new strategy of water resource management for urban areas achieved through participatory process. Urban Water Journal, 6(3), 2009-2019.

Gil, A. C. (1995). Como elaborar projetos de pesquisa. 3.ed. São Paulo: Atlas, 159p.

Hannigan, J. (1995). Environmental Sociology: a social constructionist perspective. London: Routledge.

Instituto Brasileiro de Análises Sociais e Econômicas. (2003). Descortinando o Brasil: justiça ambiental. Rio de Janeiro: IBASE / FASE / IPPUR.

Jacobi, P. R. (2006). Impactos sócio-ambientais urbanos na Região Metropolitana de São Paulo. Revista Eletrônica VeraCidade,1(1), 1-12.

Jacobi, P. R. (1995). Diagnóstico de conflitos sócio-ambientais na cidade de São Paulo. Cadernos CEDEC n. 45. São Paulo; Centro de Estudos de Cultura Contemporânea - CEDEC, 58p.

Kowarick, L. & Marques, E. (2012). São Paulo: novos percursos e atores (sociedade, cultura e política). Centro de Estudos da Metrópole. São Paulo.

Lakatos, E. M. & Marconi, M. A. (2007). Metodologia científica. 5. ed. São Paulo: Atlas.

Laschefski, K. & Costa, H. S. M. (2008). Segregação social como externalização de conflitos ambientais: a elitização do meio ambiente na APA-Sul, Região Metropolitana de Belo Horizonte. Ambiente e Sociedade, 11(2), 307-322.

Little, P. E. (2004, maio). A etnografia dos conflitos sócio-ambientais: bases metodológicas e empíricas. Anais do Encontro Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Ambiente e Sociedade, Indaiatuba, SP, Brasil, 2. Recuperado em 20 julho, 2009, de: .

Maciel, D. A. (2002). Ministério público e sociedade a gestão de conflitos socioambientaisem São Paulo. Tese de Doutorado, Faculdade de Filosofia da Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Maricato, E. (2003). Metrópole, legislação e desigualdade. Estudos Avançados, 17 (48), Recuperado em 02 abril, 2009, de .

Marker, A. (2008). Avaliação ambiental de terrenos com potencial de contaminação: gerenciamento de riscos em empreendimentos imobiliários. Guia caixa: sustentabilidade ambiental. Brasília: CEF-DF. 156p. >.

Matthew, R. A., Gaulin, T. & McDonald B. (2003). The elusive quest: linking environmental

change and conflict. Canadian Journal of Political Science / Revue Canidiense de Science

Politique, 36 (4), 857-878.

Mavrolas, P. & Schechtman, M. (1981). Coal mining subsidence. Proceedings of citizen´s conference, Herrin, IL, USA, 2.

Meyer, R. M. P. (2004). São Paulo metrópole. São Paulo: Edusp.

Miranda, A. (2011). Mecanismos de compromisso de ajuste. Belo Horizonte: IETEC. Recuperado em 07 setembro, 2011, de: .

Moretti, L. R. & Gontijo Júnior, W. C. (2005, novembro). Conciliação de conflito dentro da política brasileira de recursos hídricos – o caso do Sistema Cantareira. Anais do Simpósio Brasileiro de Recursos Hídricos, João Pessoa, PB, Brasil, 16.

Negri, B. (1996). Concentração e desconcentração industrial em São Paulo (1880 1990). Campinas, SP: Editora da Unicamp.

Nickum, J. & Easter, K. W. (1994) Metropolitan water use conflicts in Asia and the Pacific. Westview Press Studies in Water policy and Management / The East – West Center Program on Environment, Boulder, CO. 219p.

Nobre, C. A., Young, A. F., Saldiva, P., Nobre, A. D., Silva G. C. M. da, Lombardo, M. (2000). Vulnerabilidades das megacidades brasileiras às mudanças climáticas: Região Metropolitana de São Paulo. (Sumário Executivo). São Paulo.

Olivette (2003). CETESB acompanha coleta no Condomínio Barão de Mauá. Recuperado October 12, 2009, de http://www.CETESB.sp.gov.br/Noticias/003/10/29_barao_maua.asp.

Bobbio, N., Matteucci, N. & Pasquino, G. (1986). Dicionário de política (2a ed.). Brasília: Universidade de Brasília.

Phillips, A. S., Hung, Y-T. & Bosela, P. A. (2007). Love Canal Tragedy. Journal of Performance of Constructed Facilities, Nova York, 21 (4), 313-319.

Ritter, L., Solomon, K. R. & Forget, J. (1995). A Review of selected persistent organic pollutants. Guelph: In-ternational Programme on Chemical Safety. Recuperado em 27 outubro, 2009, de .

Rondeau, A. (1996). A gestão dos conflitos nas organizações. In J. F. Chanlat. O indivíduo na organização: dimensões esquecidas (pp.205-225). São Paulo: Atlas.

Secretaria de Estado do Meio Ambiente - SEMA. Unidade de Coordenação do Projeto de Recuperação de Matas Ciliares. (2009. Termo de referência para contratação de serviços de consultoria visando a mediação de conflitos socioambientais. São Paulo, SP, Brasil. 6p.

Severino, A. (2007). Metodologia do trabalho científico. São Paulo: Cortez.

Silva, K. O. (2007). A periferização causada pela desigual urbanização brasileira. Revista Urutágua, 11, 1-8.

Susskind, L. & Field, P. (1997). Em crise com a opinião pública: o diálogo como técnica

fundamental para solucionar disputas. São Paulo: Futura.

UN-United Nations, Department of Economic and Social Affairs, Population Division (2015). World Urbanization Prospects: The 2014 Revision, (ST/ESA/SER.A/366).

Valverde, F. M. & Kiyotani, M. A. (1986). Mineração em áreas urbanas. Brasil Mineral, 4, (30), 31-36.

Villas Boas, R. (1995). São Paulo: conflitos e negociações na disputa pela cidade. São Paulo: Polis, 80p.

Wentz, C. A. (1995). Hazardous waste management. Nova York: McGraw-Hill.

Westman, W. E. (1985). Ecology, impact assessment and environmental planning. New York: John Wiley & Sons.




DOI: https://doi.org/10.7769/gesec.v7i2.574

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Mauro Silva Ruiz, José Maria Bernardelli Jr., Cristiano Capellani Quaresma, Maurício Lamano Ferreira

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

GeSec - Revista de Gestão e Secretariado | São Paulo, São Paulo, Brasil | e-ISSN:2178-9010

Para referências:

R. G. Secr., GESEC.

Licença Creative Commons
Esta Revista está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia