Planejamento Participativo da Paisagem na Cidade Digital: Análise de Potencialidades Em Curitiba, Paraná

Autores

  • Regina Maria Martins de Araujo Klein pontifícia universidade católica do paraná http://orcid.org/0000-0003-3329-0959
  • Letícia Peret Antunes Hardt Programa de Pós-Graduação em Gestão Urbana (PPGTU) da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR)
  • Denis Alcides Rezende PUCPR - Pontifícia Universidade Católica do Paraná Programa de Doutorado e Mestrado em Gestão Urbana

DOI:

https://doi.org/10.7769/gesec.v7i3.557

Palavras-chave:

Paisagem urbana. Tecnologia da informação. Interface com cidadão. Gestão municipal. Áreas verdes.

Resumo

As tecnologias e serviços aplicados em ambiente virtual oferecem alternativas de inclusão dos cidadãos no processo de qualificação de cenas urbanas, sendo, portanto, oportunos para a prevenção da falta de articulação da temática paisagística na esfera da administração pública. Diante desses pressupostos, a questão central da pesquisa é voltada à interpretação das reais possibilidades de incorporação do tema e da factual participação da população na gestão municipal por meio de recursos tecnológicos de informação. Nesse contexto, o objetivo geral da investigação é analisar o potencial do planejamento participativo da paisagem na cidade digital. Assim, é apoiada em estudo documental sobre a realidade de Curitiba, Paraná. A unidade de observação abrangeu a legislação interveniente na composição das áreas verdes, definidas como recortes relevantes dos componentes paisagísticos da malha urbanizada. As normas legais foram associadas tanto a parâmetros qualiquantitativos de elementos morfológicos e compositivos, quanto a perspectivas de interface com a comunidade. Os resultados obtidos demonstram a insuficiência de efetiva integração dos citadinos nos atuais processos de ordenamento desses espaços na capital paranaense. Não obstante as limitações dos procedimentos adotados, conclui-se pela existência de capacidade de ampliação dessa conexão no âmbito da cidade digital. Este fato é diagnosticado pela identificação de oportunidades de intensificação do envolvimento virtual dos munícipes e de diversidades de opções tecnológicas para esta finalidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Regina Maria Martins de Araujo Klein, pontifícia universidade católica do paraná

Arquiteta e Urbanista, Mestre e Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Gestão Urbana (PPGTU) da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR) e docente na graduação da mesma intituição.

Letícia Peret Antunes Hardt, Programa de Pós-Graduação em Gestão Urbana (PPGTU) da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR)

Arquiteta e Urbanista, Doutora, Pesquisadora e Docente do Programa de Pós-Graduação em Gestão Urbana (PPGTU) da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR)

Denis Alcides Rezende, PUCPR - Pontifícia Universidade Católica do Paraná Programa de Doutorado e Mestrado em Gestão Urbana

Pós-Doutor em Cidade Digital Estratégica (Strategic Digital City) - DePaul University - School of Public Service - Chicago - USA (2014).

Pós-doutor em Administração (FEA/USP), doutor em Alinhamento do Planejamento Estratégico da Tecnologia da Informação ao Planejamento Empresarial (EPS/UFSC), mestre em Informática (UFPR), com especialização em Magistério Superior (UTP/PR), graduado em Administração de Empresas (FADEPS/PR) e em Processamento de Dados (FACET-UTT/PR).

 

Professor e Pesquisador

PUCPR - Pontifícia Universidade Católica do Paraná

Programa de Doutorado e Mestrado em Gestão Urbana

Referências

Albertin, A. L. & Albertin, R. M. de M. (2012). Dimensões do uso de tecnologia da informação: um instrumento de diagnóstico e análise. Revista de Administração Pública – RAP, Rio de Janeiro: Escola Brasileira de Administração Pública e de Empresas – Ebrape – da Fundação Getúlio Vargas – FGV, vol. 46, n.1, pp.25-51, jan./fev.

Barz, E. L.; Boschilia, R.; Hladczuk, A. M. & Sutil, M. S. (1997). História de Curitiba. Recuperado em 22 de novembro, 2012, de <http://www.casadamemoria.org.br/ index_historiadecuritiba.html>.

Besselaar, P. V. D. & Beckers, D. (2009). Demographics and sociographics of the digital city. Recuperado em 2 de fevereiro, 2009, de <http://portal.acm.org/citation.cfm?id =701393>.

Cândido, G. A. & Araújo, N. M. (2003). As tecnologias de informação como instrumento de viabilização da gestão do conhecimento através da montagem de mapas cognitivos. Ciência e Informação, Brasília: Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia – IBICT, vol.32, n. 3, pp. 38-45, set./dez.

Cardoso, O. N. P. & Machado, R. T. M. (2008). Gestão do conhecimento usando data mining: estudo de caso na Universidade Federal de Lavras. Revista de Administração Pública – RAP, Rio de Janeiro: Escola Brasileira de Administração Pública e de Empresas – Ebrape – da Fundação Getúlio Vargas – FGV vol.42, n. 3, pp. 495-528, maio/jun.

Cosgrove, D. (2006). Modernity, community and the landscape idea. Journal of Material Culture, London: University College London, vol.11, n. 1-2, pp. 49-66, jul.

Curitiba. (1975). Lei Municipal nº 5.234, de 10 de dezembro de 1975, Modifica a Lei nº 4.199/72 [dispõe sobre o zoneamento urbano de Curitiba] e dá outras providências. Diário Oficial [do] Município de Curitiba, Poder Executivo, Curitiba, PR.

_____. (1976). Decreto Municipal nº 400, de 9 de julho de 1976, Regulamenta os Setores Especiais de Preservação de Fundos de Vale. Diário Oficial [do] Município de Curitiba, Poder Executivo, Curitiba, PR.

_____. (1978). Decreto Municipal nº 226, de 14 de março de 1978. Aprova o Plano de Arborização de Curitiba. Diário Oficial [do] Município de Curitiba, Poder Executivo, Curitiba, PR.

_____. (1988a). Lei Municipal nº 7.230, de 30 de agosto de 1988. Torna obrigatório o plantio de árvores, arbustos e vegetações rasteiras, nas faixas não edificáveis de fundos de vale. Diário Oficial [do] Município de Curitiba, Poder Executivo, Curitiba, PR.

_____. (1988b). Decreto Municipal nº 471, de 27 de outubro de 1988. Dispõe sobre os parques municipais e dá outras providências. Diário Oficial [do] Município de Curitiba, Poder Executivo, Curitiba, PR.

_____. (1991a). Lei Municipal n°7.622, de 1º de abril de 1991. Dispõe sobre a utilização do recuo do alinhamento predial dos terrenos edificados como área verde. Diário Oficial [do] Município de Curitiba, Poder Executivo, Curitiba, PR.

_____. (1991b). Lei Municipal nº 7.651, de 14 de maio de 1991. Dispõe sobre a obrigatoriedade do plantio de árvores nos passeios para a expedição do certificado de conclusão de obra. Diário Oficial [do] Município de Curitiba, Poder Executivo, Curitiba, PR.

_____. (1991c). Lei Municipal nº 7.833, de 19 de dezembro de 1991. Dispõe sobre a política de proteção, conservação e recuperação do meio ambiente e dá outras providências. Diário Oficial [do] Município de Curitiba, Poder Executivo, Curitiba, PR.

_____. (1993). Lei Municipal nº 8.353, de 22 de dezembro de 1993. Dispõe sobre o monitoramento da vegetação arbórea e estímulos à preservação das áreas verdes no município de Curitiba. Diário Oficial [do] Município de Curitiba, Poder Executivo, Curitiba, PR.

_____. (2000a). Lei Municipal nº 9.800, de 3 de janeiro de 2000. Dispõe sobre o zoneamento, uso e ocupação do solo no município de Curitiba e dá outras providências. Diário Oficial [do] Município de Curitiba, Poder Executivo, Curitiba, PR.

_____. (2000b). Lei Municipal nº 9.804, de 3 de janeiro de 2000. Cria o sistema de unidades de conservação do município de Curitiba e estabelece critérios e procedimentos para implantação de novas unidades de conservação. Diário Oficial [do] Município de Curitiba, Poder Executivo, Curitiba, PR.

_____. (2000c). Lei Municipal nº 9.805, de 3 de janeiro de 2000. Cria o Setor Especial do Anel de Conservação Sanitário Ambiental e dá outras providências. Diário Oficial [do] Município de Curitiba, Poder Executivo, Curitiba, PR.

_____. (2000d). Lei Municipal nº 9.806, de 3 de janeiro de 2000. Institui o Código Florestal do município de Curitiba, revoga as Leis nº 8.353/93 e 8.436/94, e dá outras providências. Diário Oficial [do] Município de Curitiba, Poder Executivo, Curitiba, PR.

_____. (2000e). Decreto Municipal nº 195, de 3 de abril de 2000. Dispõe sobre o Setor Especial Residencial – Áreas Verdes – CIC. Diário Oficial [do] Município de Curitiba, Poder Executivo, Curitiba, PR.

_____. (2002). Decreto Municipal nº 673, de 18 de setembro de 2002. Cria o Setor Especial do Parque Natural Municipal Tanguá e dá outras providências. Diário Oficial [do] Município de Curitiba, Poder Executivo, Curitiba, PR.

_____. (2008). Decreto Municipal nº 473, de 5 de junho de 2008. Define as espécies florestais consideradas como exóticas invasoras para o município de Curitiba e dá outras providências. Diário Oficial [do] Município de Curitiba, Poder Executivo, Curitiba, PR.

_____. (2009). Decreto Municipal nº1.181, de 15 de setembro de 2009. Declara imune de corte as árvores que especifica e dá outras providências. Diário Oficial [do] Município de Curitiba, Poder Executivo, Curitiba, PR.

_____. (2010). Lei Municipal nº 13.519, de 17 de junho de 2010. Institui a campanha permanente de incentivo à arborização de ruas, praças e jardins de Curitiba, e dá outras providências. Diário Oficial [do] Município de Curitiba, Poder Executivo, Curitiba, PR.

_____. (2015). Lei Municipal nº 14.771, de 17 de dezembro de 2015. Dispõe sobre a revisão do Plano Diretor de Curitiba de acordo com o disposto no artigo 40, § 3º, do Estatuto da Cidade, para orientação e controle do desenvolvimento integrado do Município e dá outras providências. Diário Oficial [do] Município de Curitiba, Poder Executivo, Curitiba, PR.

Dorigo, T. A. & Ferreira, A. P. N. L. (2015). Contribuições da percepção ambiental de frequentadores sobre praças e parques no Brasil (2009-2013): revisão bibliográfica. Revista de Gestão Ambiental e Sustentabilidade – GeAS, São Paulo: Universidade Nove de Julho – Uninove, vol.4, n.3, pp. 31-45, set./dez.

Gil, A. C. (2008). Métodos e técnicas de pesquisa social (6a ed.). São Paulo: Atlas.

Guerreiro, E. P. (2006). Cidade digital: infoinclusão social e tecnologia em rede. São Paulo: Editora do Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial de São Paulo – Senac São Paulo.

Haesbaert, R. (2004). O mito da desterritorialização: do “fim dos territórios” à multiterritorialidade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Hardt, L. P. A. (2000). Subsídios à gestão da qualidade da paisagem urbana: aplicação a Curitiba, Paraná. Tese de doutorado em Engenharia Florestal, Universidade Federal do Paraná – UFPR, Curitiba, Paraná, Brasil.

Hardt, L. P. A. (2004). Ecologia da paisagem: fundamentos à gestão do espaço urbano. OLAM Ciência & Tecnologia, vol.4, n.1, pp. 597-612.

IPPUC – Instituto de Pesquisa e Planejamento de Curitiba. (2016). Informando o cidadão. Recuperado em 9 de março, 2016, de <http://ippuc.org.br/default.php>.

Ishida, T. (2012). Activities and technologies in digital city Kyoto. Lecture Notes in Computer Science, State-of-the-Art Survey, 3081, 2004. Recuperado em 11 de setembro, 2012, de <http://www.digitalcity.gr.jp/DigitalCityKyoto20040601.pdf>.

Lamas, J. M. R. G. (2014). Morfologia urbana e desenho da cidade (7a ed.). Porto: Fundação Calouste Gulbenkian; Fundação para a Ciência e a Tecnologia.

Leis Municipais. (2016). Leis ordinárias e decretos. Recuperado em 10 de maio, 2016, de <http://www.leismunicipais.com.br/legislacao-municipal-da-prefeitura-e-camara/5520/leis de-curitiba.html>.

Lynch, K. (2011). A imagem da cidade (3a ed.). Tradução de Jefferson Luiz Camargo. São Paulo: Martins Fontes.

Macedo, S. S. (2010). Paisagismo brasileiro na virada do século: 1990-2010. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo – Edusp.

Mendes, S. L.; Bottoli, L. M. & Breda, D. G. (2010). Digital cities and open MANs: a new communications paradigm. IEEE Latin America Transactions, New York: Institute of Electrical and Electronics Engineers – IEEE, vol.8, n.4, pp. 394-402, aug.

Mitchell, W. J. T. (2002). Landscape and power (2a ed.). Chicago: University of Chicago Press.

Mossberger, K.; Tolbert, C. J. & Franco, W. W. (2013). Digital cities: the internet and the geography of opportunity. Oxford: Oxford University Press.

Mossberger, K.; Tolbert, C. J. & McNeal R. S. (2008). Digital citizenship: the internet, society, and participation. Cambridge, MA: Massachusetts Institute of Technology – MIT Press.

Nava, A. & Dávila, I. (2005). M-government for digital cities: value added public services. In The Proceedings of the 1st European Mobile Government Conference, Brighton, UK: Mobile Government Consortium International, pp. 304-312.

O’Brien, J. A. (2011). Sistemas de informação e as decisões gerenciais na era da internet (3a ed.). Tradução de Cid K. Moreira. São Paulo: Saraiva.

Olwig, K. R. (2013). The law of landscape and the landscape of law: the things that matter. In Howard, P., Thompson, I. & Waterton, E. (Ed.) The Routledge companion to landscape studies. Abingdon; New York: Routledge. pp.166-178.

Relph, E. (2008). Place and placelessness. Repr. London: Paperbach.

Rezende, D. A. (2012a). Cidade digital estratégica: modelo e aplicação em um município paulista. Anais do VIII Simpósio Brasileiro de Sistemas de Informação, São Paulo: Universidade de São Paulo Campus Leste – USP Leste, pp.126-131. Recuperado em 24 de outubro, 2015, de <http://www.lbd.dcc.ufmg.br/bdbcomp/servlet/Autor? id=17442>.

_____. (2012b). Planejamento de estratégias e informações municipais para cidade digital: guia para projetos em prefeituras e organizações públicas. São Paulo: Atlas.

Rezende, D. A. & Abreu, A. F. (2013). Tecnologia da informação aplicada a sistemas de informação empresariais: o papel estratégico da informação e dos sistemas de informação nas empresas (9a ed.). São Paulo: Atlas.

Rossetti, A. G. & Morales, A. T. (2007). O papel da tecnologia da informação na gestão do conhecimento. Ciência e Informação, Brasília: Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia – IBICT, vol.36, n. 1, pp.124-135.

Secchi, L. (2009). Modelos organizacionais e reformas da administração pública. Revista de Administração Pública – RAP, Rio de Janeiro: Escola Brasileira de Administração Pública e de Empresas – EBRAPE – da Fundação Getúlio Vargas – FGV, vol.43, n. 2, pp. 347-369. mar./abr.

Sgard, A. (2012). Le partage du paysage. Geography, Grenoble: Université de Grenoble, s.n., pp. 1-261.

Trindade, E. M. C. (1997). Cidade, homem e natureza: uma história das políticas ambientais de Curitiba. Curitiba: Universidade Livre do Meio Ambiente – Unilivre.

Tuan, Y. (2012). Topofilia: um estudo da percepção, atitudes e valores do meio ambiente. Londrina: Editora da Universidade Estadual de Londrina – Eduel.

Turban, E.; Rainer, R. K. & Potter, R. E. (2007). Introdução a sistemas de informação: uma abordagem gerencial. Tradução de Daniel Vieira. Rio de Janeiro: Elsevier.

Downloads

Publicado

2016-12-02

Como Citar

Klein, R. M. M. de A., Hardt, L. P. A., & Rezende, D. A. (2016). Planejamento Participativo da Paisagem na Cidade Digital: Análise de Potencialidades Em Curitiba, Paraná. Revista De Gestão E Secretariado, 7(3), 226–252. https://doi.org/10.7769/gesec.v7i3.557

Edição

Seção

Artigos