Sociedade, Mulher e Profissão

Rutineia Oliveira Carvalho

Resumo


Este artigo de revisão se propõe efetuar uma abordagem acerca da trajetória da mulher na sociedade, no mercado de trabalho e a sua relação com a profissão de Secretariado Executivo, por estarem intimamente associadas, mulher e a respectiva profissão. As mulheres colecionam na sua história luta pelo pleno exercício da cidadania (direitos de igualdade entre os gêneros) e o recorrente desafio de articular trabalho remunerado e responsabilidades domésticas e familiares. São elementos incorporados na cultura, e considerando que as organizações empresariais refletem os valores, a cultura e os paradigmas de uma determinada sociedade, busca-se analisar como esses efeitos se projetam sobre as secretárias executivas. Dessa forma, a questão consiste em saber quais seriam as implicações desse contexto na profissão de Secretariado Executivo na atualidade. O objetivo fundamental é pensar como as transformações sociais, políticas e econômicas do contexto brasileiro afetaram a mulher em relação a mercado de trabalho, arranjos familiares, maternidade e a sua formação profissional, numa perspectiva metodológica histórica e causal-comparativa, tendo em vista indicar as tendências e os desafios para as secretárias executivas. Concluiu-se que é tendência as concentrações femininas em determinadas áreas profissionais, que as escolhas refletem uma clara separação entre os gêneros; que as mulheres escolarizadas tendem a reduzir o número de filhos ou postergar a maternidade para depois da carreira profissional; que ainda recaem sobre as mulheres a maior carga do trabalho doméstico e familiar; e que essa dupla jornada implica para as mulheres secretárias em desafios quanto à ascensão profissional ou de competitividade no mercado de trabalho.

 


Palavras-chave


Mulher. Secretária executiva. Mercado de trabalho. Sociedade

Texto completo:

PDF

Referências


Abreu, M. A. A. & Meirelles, R. de L. (2012) Mulheres e homens em ocupação de cargos de direção e assessoramento superior (DAS) na carreira de especialista em políticas públicas e gestão governamental (EPPGG). Texto para discussão 1797. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. - Brasília : Rio de Janeiro: Ipea . Recuperado em 10 de fevereiro, 2015, de

Almeida, M. L. & Piccinini, V. C. (2011) O surgimento da sociologia e da sociologia aplicada à administração. In: Almeida, M. L. d.; Piccinini, V. C. & Oliveira, S. R. de. (Org.). Sociologia e Administração: relações sociais nas organizações. Rio de Janeiro: Elsevier.

Berger, P. L. & Luckman, T. (2009) A construção social da realidade. (31a ed.). (Fernandes, Floriano de Souza, Trad.). Petrópolis: Vozes.

Bruschini, C. & Lombardi, M. R. (2001/2002) Instruídas e trabalhadeiras Trabalho feminino no final do século XX. In: Cadernos pagu n.17/18, pp.157-196.

Bruschini, C.; Lombardi, M. R; Mercado, C. M. & Ricoldi, A. (2011) Trabalho, renda e políticas sociais: avanços e desafios. In: Barsted, L. L. & Pitanguy, J. (Org.) O Progresso das mulheres no Brasil 2003-2010. Rio de Janeiro: Cepia; Brasília: Onu Mulheres.

Castells, M. (1999) O poder da identidade. São Paulo: Paz e Terra.

Cott, N. F. (1993) Mujer moderna, estilo norteamericano: los años veinte. In:. Duby, G.; Perrot, M. (Org.) Historia de las mujeres en occidente. (Galmarini, Marco Aurelio, Trad.). Madrid: Santillana, S.A.

Inep - Instituto Nacional de Ensino e Pesquisa – Estatística do Ensino Superior (2011). Recuperado em 2 de outubro, 2013, de

Inep - Instituto Nacional de Ensino e Pesquisa. Censo (1991-2010). Recuperado em 26 de setembro, 2012, de < http://www.inep.gov.br >

Martins, C.B; Terra, P. M; Macari, É & Vicente, I. (2010) A formação do profissional em Secretariado Executivo no mercado de trabalho globalizado. Revista de Gestão e Secretariado, São Paulo, vol. 1, n. 1, pp. 69-89, jan./jun. Recuperado em 18 de junho, 2015, de

view/1#.VYckCUaK9UE>

Pedro, J. M. (2005). Traduzindo o debate: o uso da categoria gênero na pesquisa histórica. In: História, São Paulo, vol. 24, n. 1, pp. 77-98.

Richardson, R. J. (2008) Pesquisa social: métodos e técnicas (3a ed.). São Paulo: Atlas.

Sarti, C. A. (2004) O feminismo brasileiro desde os anos 1970: revisitando uma trajetória. In: Revista Estudos Feministas, vol.12 n.2, Florianópolis May/Aug. 2004. Recuperado em 1º de novembro, 2014, de < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-026X2004000200003 >

Scott, J. (1995) Gênero: uma categoria útil de análise histórica. In: Educação & Realidade. Porto Alegre, vol. 20, n. 2, jul./dez. 1995, pp. 71-99.

Thébaud, F. (1993) La Primera Guerra Mundial: ¿la era de la mujer o el triunfo de la diferencia sexual? In:. Duby, G. & Perrot, M. (Org.) Historia de las mujeres en occidente. (Galmarini, Marco Aurelio, Trad.). Madrid: Santillana, S. A.




DOI: https://doi.org/10.7769/gesec.v7i1.396

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Rutineia Oliveira Carvalho

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

GeSec - Revista de Gestão e Secretariado | São Paulo, São Paulo, Brasil | e-ISSN:2178-9010

Para referências:

R. G. Secr., GESEC.

Licença Creative Commons
Esta Revista está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia