Relações Públicas e Secretariado Executivo: Interfaces de Atuação no Campo da Comunicação Organizacional

Eduardo Cesar Pereira Souza, Bruno Américo Lima Ferreira, Inajara Amanda Fonseca Viana

Resumo


Os debates teórico-metodológicos no campo das Relações Públicas e do Secretariado Executivo podem ser encontrados em diferentes pesquisas científicas (França, 2003; Kunsch, 2006; Nonato, 2008; Sabino & Marchelli, 2009; Oliveira, 2009). Singularmente, há também estudos que tratam das similaridades e peculiaridades entre as duas áreas (Leite, 2009; Werner; Oliveira, n.d. & Artico, 2013). Desse modo, este trabalho destina-se a responder a seguinte inquietação: Quais as interfaces de atuação profissional existentes entre a profissão de Relações Públicas e a de Secretário Executivo? Quanto à abordagem do problema este artigo é qualitativo. No que se refere aos objetivos e fins ele é descritivo. No tocante aos meios tem-se que se trata de um trabalho bibliográfico, tematizado e documental.  Por fim, foi possível identificar quatro principais eixos comuns entre as ocupações, a saber: a) atuação pautada nas transformações tecnológicas; b) inserção no ambiente estratégico das organizações; c) agir com base na utilização da comunicação assertiva e, finalmente, d) a atuação profissional entendida como complementar, pois possibilita um efetivo assessoramento para a tomada de decisão por parte do alto escalão organizacional.


Palavras-chave


Relações Públicas. Secretariado Executivo.Comunicação Organizacional.

Texto completo:

PDF

Referências


Artico, J. A. (2013). O Secretário Executivo com perfil de Relações Públicas. Revista de Gestão e Secretariado, 4 (1), 126-138. Recuperado em 15 dezembro, 2014, de http://www.revistagesec.org.br/ojs-2.4.5/index.php/secretariado/article/view/90#.VLvaq8JdV1Y

Bíscoli, F. R. V. & Lotte, R. I. (2006). Reflexões teóricas sobre a importância da comunicação na profissão de secretariado executivo. Revista Expectativa: Secretariado Executivo, 5 (5), 157-172. Recuperado em 15 dezembro, 2014, de http://e-revista.unioeste.br/index.php/expectativa/article/view/91

Brasil (2005). Resolução n. 3, de 23 de junho de 2005. Brasília. Recuperado em 15 dez. 2014 de.

Brasil (2013). Diretrizes Curriculares nacionais para os cursos de relações públicas. Resolução nº 02, de 27 de setembro de 2013. Brasília. Recuperado em 15 dez. 2014 de..

Bruyne, P.; Herman, J. & Schoutheete, M. (1991). Dinâmica da pesquisa em Ciências Sociais: os polos da prática metodológica. Rio de Janeiro: Livraria Francisco Alves.

Cardoso, O. O. (2006) Comunicação empresarial versus comunicação organizacional: novos desafios teóricos. RAP, 40 (6), 1123-1144. Recuperado em 15 dezembro, 2014, de http://www.scielo.br/pdf/rap/v40n6/10.pdf

Ferrari, M. A. (2003, setembro). Relações Públicas e a sua função estratégica. Anais do Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, Belo Horizonte, MG, Brasil, 15.

Fonseca, J. J. S. (2002). Metodologia da pesquisa científica. [Apostila] Fortaleza: UEC.

França, F. (2003). Subsídios para o estudo do conceito de relações públicas no Brasil. Comunicação & Sociedade. Póscom-Umesp, 24 (39), 127-154. Recuperado em 20 dezembro, 2014, de http://www.revistas.univerciencia.org/index.php/cs_umesp/article/viewFile/141/101

Gelis Filho, A. & Blikstein, I. (2013). Comunicação assertiva e o relacionamento nas empresas. GVExecutivo, 12 (2), 28-31. Recuperado em 14 janeiro 14, 2015, de http://rae.fgv.br/sites/rae.fgv.br/files/artigos/gv_v12n2_28-311.pdf

Gonçalves, J. E. L. (1994) Os impactos das novas tecnologias nas empresas prestadoras de serviços. Revista de Administração de Empresas, 34 (1), 63-81. Recuperado em 15 janeiro, 2015, de http://www.scielo.br/pdf/rae/v34n1/a08v34n1

Grunig, J. E. (2003). A função das relações públicas na administração e sua contribuição para a efetividade organizacional e societal. Trad. de John Franklin Arce. Comunicação & Sociedade. Póscom-Umesp, 24 (39), 67-92. Recuperado em 15 janeiro, 2015, de http://www.sinprorp.org.br/clipping/2007/artigogrunning.pdf

Iasbeck, L. C. (2009). Relações Públicas e Comunicação Organizacional: o lugar do texto e do contexto. Organicom, 6 (10/11), 102-108. Recuperado em 15 janeiro, 2015, de http://www.eca.usp.br/departam/crp/cursos/posgrad/gestcorp/organicom/re_vista10-11/102.pdf

Kunsch, M. M. K. (1999) A pesquisa acadêmico-científica no campo das Relações Públicas e da comunicação organizacional no Brasil. In: _______. Vinte anos de ciências da comunicação no Brasil. Santos: Universidade Santa Cecília.

Kunsch, M. M. K. (2006) Gestão das Relações Públicas na contemporaneidade e a sua institucionalização profissional e acadêmica no Brasil. Organicom, 3 (5), 30-61. Recuperado em 15 janeiro, 2015, de http://revistaorganicom.org.br/sistema/index.php/organicom/article/view/70.

Lei n. 5.377, de 11 de dezembro de 1976 (1976). Disciplina a Profissão de Relações Públicas e dá outras providências. Diário Oficial da União. Brasília, DF: Presidência da República.

Lei n. 7.377, de 30 de setembro de 1985 (1985). Dispõe sobre o exercício da profissão de secretário e dá outras providências. Diário Oficial da União. Brasília, DF: Presidência da República.

Lei n. 9.261, de 10 de janeiro de 1996 (1996). Altera a redação dos incisos I e II do art. 2º, o caput do art. 3º, o inciso VI do art. 4º e o parágrafo único do art. 6º da Lei 7.377, de 30 de setembro de 1985. Diário Oficial da União. Brasília, DF: Presidência da República.

Leite, G. A. (2010, junho) As Relações Públicas no Secretariado Executivo. Anais do Congresso de Ciências da Comunicação na Região Nordeste, Campina Grande, PB, Brasil, 10.

Mattar, F. N. (1999). Pesquisa de Marketing (5a ed.). São Paulo: Atlas.

Minayo, M. C. S. (org.) (2001). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes.

Nonato Júnior, R., (2008, maio). Epistemologia do Secretariado Executivo: por uma teoria do conhecimento em Secretariado. Anais do Congresso Nacional de Secretariado, Brasília, DF, Brasil, 12.

Oliveira, A. A. (2008). Relações Públicas no Brasil: a teorização das práticas. Revista Anagrama, 1 (4), 1-16. Recuperado em 20 dezembro, 2014, de http://www.usp.br/anagrama/Oliveira_Relacoespublicas.pdf

Oliveira, P. R. N. O. (2010). O profissional de relações públicas no ambiente corporativo global. Organicom, 7 (13), 26-33. Recuperado em 20 dezembro, 2014, de http://revistaorganicom.org.br/sistema/index.php/organicom/article/view/311/358

Polit, D. F.; Beck, C. T. & Hungler, B. P. (2004) Fundamentos de pesquisa em enfermagem: métodos, avaliação e utilização (5a ed.). Trad. de Ana Thorell. Porto Alegre: Artmed.

Pontes, M. L. M. (2005). Comunicação e assertividade na Cravil no período de setembro a dezembro de 2003. Dissertação de Mestrado, Universidade do Estado de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil. Disponível em http://www.tede.udesc.br/tde_busca/arquivo.php?codArquivo=49

Resolução nº 2, de 27 de setembro de 2013 (2013). Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Relações Públicas. Diário Oficial da União. Brasília, DF: Ministério da Educação.

Resolução nº 3, de 23 de junho de 2005 (2005). Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso de graduação em Secretariado Executivo e dá outras providências. Diário Oficial da União. Brasília: Ministério da Educação.

Sabino, R. F. & Marchelli, P. S. (2009). O debate teórico-metodológico no campo do secretariado: pluralismos e singularidades. Cadernos Ebape.BR, 7 (4), 617-621. Recuperado em 20 dezembro, 2014, de http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1679-39512009000400006

Sabino, R. F. & Rocha, F. G. (2004). Secretariado: do escriba ao web writer. Rio de Janeiro: Brasport.

Scroferneker, C. M. A. (2006). Trajetórias teórico-conceituais da Comunicação Organizacional. Revista Famecos, (31). Recuperado em 20 dezembro, 2014, de http://www.revistas.univerciencia.org/index.php/famecos/article/viewFile/1110/832

Strauss, A. & Corbin, J. (1998). Basics of qualitative research: techniques and procedures for developing Grounded Theory. 2 nd. Thounsand Oaks: Sage Publications.

Toledo, G. L. & Fortes, W. G. (1989) .Relações Públicas e Marketing: uma abordagem estratégica. Revista de Administração, 24 (3), 3-10. Recuperado em 20 dezembro, 2014, de http://www.portal-rp.com.br/bibliotecavirtual/relacoespublicas/teoriaseconceitos/0271.pdf

Torquato, F. G. T. R. (1985). Marketing político e governamental: um roteiro para campanhas políticas e estratégias de comunicação. São Paulo: Summus.

_____. (2002) Tratado de comunicação organizacional e política. São Paulo: Pioneira Thompson Learning.

Triviños, A. N. S. (1987). Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas.

Vergara, S. C. (2000). Projetos e relatórios de pesquisa em administração. São Paulo: Atlas.

Weber, M. H. (2009). Comunicação Organizacional, a síntese. Relações Públicas, a gestão estratégica. Organicom – Edição Especial, 6 (10/11), 70-75. Recuperado em 20 dezembro, 2014, de http://www.eca.usp.br/departam/crp/cursos/posgrad/gestcorp/organicom/re_vista10-11/70.pdf

Werner, A. & Oliveira, V. S. (n.d.) Relações Públicas e Secretariado Executivo: uma parceria de sucesso. Recuperado em 20 dezembro, 2014, de http://ava.grupouninter.com.br/tead/hyperibook/CCDD/Relacoes_Publicas/




DOI: https://doi.org/10.7769/gesec.v6i1.349

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Eduardo Cesar Pereira Souza, Bruno Américo Lima Ferreira, Inajara Amanda Fonseca Viana

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

GeSec - Revista de Gestão e Secretariado | São Paulo, São Paulo, Brasil | e-ISSN:2178-9010

Para referências:

R. G. Secr., GESEC.

Esta Revista está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia