Espiritualidade Corporativa: Realidade ou Mito na Visão do Profissional de Secretariado?

Cibelle da Silva Santiago, Lidiane Reis, Maria Lizitana Conceição dos Santos

Resumo


Este estudo foi desenvolvido para mostrar como uma determinada Diretoria de Cultura, objeto de estudo empírico, têm visto e exercitado a espiritualidade dentro de suas dimensões organizacionais e o seu entendimento a cerca deste tema. Para tal, o objetivo geral é identificar a existência ou não das práticas da espiritualidade corporativa numa fundação cultural, através da percepção do profissional de secretariado. Como objetivo específico buscou-se verificar se o Secretário (a) consegue encontrar na cultura desta organização situações que possam estimulá-los a desenvolver/aprimorar uma postura mais espiritualizada; identificar se o profissional de secretariado tem exercitado a espiritualidade nesta corporação, como um meio para o desenvolvimento pessoal e profissional. Foi utilizado nesta pesquisa o método exploratório e o método qualitativo como procedimento para as etapas de investigação, fazendo uso da pesquisa bibliográfica e do estudo de caso, além da utilização da entrevista como técnica para coleta de dados, sendo estruturada com perguntas abertas. Para fins de análise dos dados, utilizou-se o método quantitativo e a análise de conteúdo. Os profissionais de secretariado, sujeitos da pesquisa, devem saber o quanto é importante desenvolverem comportamentos espirituais, mais humanos e com atitudes que pensem no bem-estar do próximo. No entanto, é necessário que haja a participação enfática dos seus líderes para conhecer os conceitos referentes à espiritualidade corporativa e inteligência emocional, visando repassar aos seus liderados. Percebe-se, então, a importância do profissional de secretariado conhecer conceitos sobre espiritualidade, para internalizar e socializar com outros funcionários os benefícios deste novo comportamento organizacional.

DOI: 10.7769/gesec.v5i3.269

 


Palavras-chave


Espiritualidade Corporativa; Secretariado; Comportamento.

Texto completo:

PDF

Referências


Ashforth, B.E.; Humphrey, R.H. (1995). Emotion in the work place: a reappraisal, HumanRelations, Vol. 48, pp. 97-125.

Ashkanasy, N. M.; Härtel, C. E.; Zerbe, W. J. (2000). Emotions in the workplace: research, theory and practice. London: Quorum Books.

Ashmos, D. P & Duchon, D. (2000). Spirituality at work: A conceptualization and measure. Journal of Management Inquiry.

Bardin, L. (1977). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Bergamini, C. W. (1982). Psicologia aplicada à administração de empresas: psicologia do comportamento organizacional (3a ed.). São Paulo: Atlas.

Boff, L. (2001). Espiritualidade – um caminho de transformação. São Paulo: Sextante.

Bom Sucesso, E. de P. (1997). Trabalho e qualidade de vida. Rio de Janeiro: Dunya.

Bond, T. M. & Oliveira, M. (2009). Secretário (a) como gestor. Manual do profissional de Secretariado. (3a ed.). Curitiba: Ibpex.

Buaiz, S. (2002). Espiritualidade nos negócios. Recuperado em 2 de março, 2014, de http://www.elosbrasil.org.br/br/texto.asp?id_site=br&cod_pagina=3

Carvalho, Zenaide (2008). Espiritualidade corporativa: como implantar a espiritualidade nas empresas? Recuperado em 20 de março, 2012, de

Demo, P. (2002), Avaliação qualitativa (7a ed.). São Paulo: Cortez.

Donaire, D. (1999). Gestão ambiental na empresa (2a ed.). São Paulo: Atlas.

Fisher, C. D., & Ashkanasy, N. M. (eds.). (2000). Special issue on emotions in work life. Journal of Organizational Behavior, 21, Issue 3.

Fleury, M.T. & Fischer, R. M. (1989). Cultura e poder nas organizações. São Paulo: Atlas.

Garcia, E. V. (2000). Noções fundamentais para secretária (o)s. São Paulo: Summus.

Gil, A. C. (1991). Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas.

_____. Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas.

Goleman, D. (2007). Inteligência emocional, a teoria revolucionária que redefine o que é ser inteligente. Rio de Janeiro: Objetiva.

Goode, W. J. & Hatt, P. K. (1979) Métodos em pesquisa social (5a ed.) São Paulo: Companhia Editora Nacional.

Guimarães, M. E. (2001). O livro azul da Secretária (o) moderna. São Paulo: Érica.

Hawley, J. (1995). O redespertar espiritual no trabalho: o poder do gerenciamento dharmico. Rio de Janeiro: Editora Record.

Kretly, P. (2005). Figura de transição: o poder de mudar destinos: como romper padrões e transformar o mundo ao seu redor. Rio de Janeiro: Elsevier.

Lama, D. (1999). O Dalai Lama fala de Jesus. Rio de Janeiro: Fisus.

Lévy, P. (2000). Cibercultura. (2a ed.). São Paulo: Editora 34.

Lopes, J. (2006) O fazer do trabalho científico em Ciências Sociais aplicadas. Recife: Editora Universitária.

Mc Gregor, D. (1957). The human side of enterprise. Management Review. USA: American Management Association.

Medeiros, J. B. (2003) Manual da Secretária (o). (8a ed.). São Paulo: Atlas.

Mintzberg, H. (2000). Criando organizações eficazes: estruturas em cinco configurações. São Paulo: Atlas.

Mitchell, J. C. (1987). A questão da quantificação na antropologia social. In: Feldmam- Bianco, Bela (org.). Antropologia das sociedades contemporâneas. São Paulo: Global.

Morgan, G. (1996). Imagens da organização. São Paulo: Atlas.

Oliveira, M. M. (2007). Como fazer pesquisa qualitativa. (2a ed.) Petrópolis: Vozes.

Paarlberg LE, Perry JL. (2007). Values management: Aligning employee values and organizational goals. Amer. Rev. Public Admin. 37(4):387–408.

Pires, José C. de Souza & Macedo, Kátia Barbosa. (2006). Cultura organizacional em organizações públicas no Brasil. Revista RAP Brasil: 81-105, jan.-fev.

Reginatto, Antônio Paulo; Pinheiro, Rosane Fraga. (2004). Equipes campeãs: potencializando o desempenho de sua equipe. (2a ed.). Porto Alegre: SEBRAE/RS.

Rego, Arménio; Pina e Cunha, Miguel & Souto, Solange (2005). Espiritualidade nas organizações e empenhamento organizacional: Um estudo empírico. Portugal: Universidade de Aveiro. Recuperado em 18 de fevereiro, 2012, de http://www2.egi.ua.pt/wp_gestao/Wp6_Espiritual_Empenhamento.pdf.

Rejun, Q.; Zigang, Z. (2005). Work group in emotions in Chinese culture settings. Singapore Management Review, v. 27, n. 1, p. 70-86.

Rodrigues, A. (1977) Psicologia Social. (6a ed.). Rio de Janeiro: Vozes.

Sanders III, J. E., Hopkins, W. E. & Geroy, G. D. (2003). From transactional to transcendental: Toward and integrated theory of leadership. Journal of Leadership and Organizational Studies.

Santarém, R. (2003). Espiritualidade Corporativa: vencendo a barreira física. Recuperado em 6 de março, 2012, de .

Veiga, Ilma Passos Alencastro. (2007). Quem sabe faz a hora de construir o projeto político pedagógico. Campinas: Papirus.

Vasconcelos, A. F. (2007). Espiritualidade no ambiente de trabalho: muito além do fad-management. Revista ESPM. vol. 14, n.1.

Weisinger, H. (2001.) Inteligência emocional no trabalho: como aplicar os conceitos revolucionários da I. E. nas suas relações profissionais, reduzindo o estresse, aumentando sua satisfação, eficiência e competitividade. Rio de Janeiro: Objetiva.

Zylbersztajn, D. (2002). Organização ética: um ensaio sobre comportamento e estrutura das organizações. Curitiba: RAC, vol. 6, n. 2.




DOI: https://doi.org/10.7769/gesec.v5i3.269

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Cibelle da Silva Santiago, Lidiane Reis, Maria Lizitana Conceição dos Santos

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

GeSec - Revista de Gestão e Secretariado | São Paulo, São Paulo, Brasil | e-ISSN:2178-9010

Para referências:

R. G. Secr., GESEC.

Esta Revista está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia