Sentidos do Exercício da Liderança por Mulheres Executivas Brasileiras

Elaine Cristina Oliveira Rocha Nogueira, Edson Keyso de Miranda Kubo

Resumo


O objetivo desta pesquisa é analisar os Sentidos de Liderança por Mulheres Executivas Brasileiras, visto que ampla maioria das pesquisas focaram os desafios da carreira (Lima; Lima; Tanure, 2009; Betiol; Tonelli, 1991) com pouca ênfase para os desafios da liderança feminina nas organizações brasileiras. Utilizou-se de uma pesquisa exploratória, que se baseou em entrevistas em profundidade com treze (13) mulheres que ocupam cargos executivos em organizações empresariais dos segmentos da Educação, Indústria Manufatureira, Comércio, Serviços e Financeiro, nos Estados de Pernambuco, Rio de Janeiro, São Paulo, Rio Grande do Sul e Minas Gerais. Os resultados obtidos revelam que os sentidos da liderança para as mulheres executivas Brasileiras se sintetizam essencialmente em aspectos relacionais do gênero feminino que são constituídos pela facilidade de comunicação, uso da intuição para a tomada de decisões, alto grau de relacionamento interpessoal com os membros da equipe, tomada de decisões compartilhadas com apoio e participação da equipe e utilização de equipes de trabalho mistas. Já os elementos dificultadores da liderança dessas executivas estão essencialmente relacionados aos aspectos objetivos da gestão, tais como falta de planejamento e despreparo da equipe, entre outros. Não obstante, questões relacionadas ao gênero, tais como estereótipos e resistência dos homens frente à liderança das mulheres também representam elementos que dificultam a liderança.

DOI:10.7769/gesec.v4i2.175


Palavras-chave


Mulher executiva; Liderança; Estilo de liderança; Sentidos de liderança

Texto completo:

PDF

Referências


Alcadipani, R. (2013). Macho, adulto e branco. GV Executivo (Vol.12, n. 1, p.74).

Armond, A. C., & Nassif, V. M. J. (2009). A liderança como elemento do comportamento empreendedor: um estudo exploratório. RAM – Revista de Administração Mackenzie (Vol. 10, No. 5, pp. 77-106). São Paulo: Mackenzie.

Avolio, B. J., & Bass, B. M. (2004). Multifactor leadership questionnaire: Third edition manual and sampler set. Redwood City, CA: Mind Garden.

_____. (1995). Individual consideration viewed at multiple levels of analysis: A multi-level framework for examining the diffusion of transformational leadership, The Leadership Quarterly (Vol. 6, n. 2, pp. 199-218).

Bass, B. M. (1997) “Does the Transactional - Transformational Leadership Paradigm Transcend Organizational and National Boundaries?”. American Psychologist, (Vol. 52, n. 2, pp. 130-139).

_____. (1990) “From transactional to transformational leadership: learning to share the vision”, Organizational Dynamics (Vol. 18, n. 3, pp. 19-31)

Bardin, L. (2011). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Bergamini, C. W. (1994). Liderança: a administração do sentido. Revista de Administração de Empresas (Vol;. 34, n. 3, pp. 102-114, mai./jun.), São Paulo.

Berger, P. & Luckmann, T. (1985). A construção social da realidade: tratado sobre a sociologia do conhecimento. Petrópolis: Vozes.

Betiol, M. I. S., & Tonelli, M. J. (1991). A mulher executiva e suas relações de Trabalho. Revista de Administração de Empresas. (Vol.31, n. 4, pp. 17-33 out./dez). São Paulo.

Boluda, I. K., & Valenzuela, M. E. A.(2011). El estilo de liderazgo y la orientación al mercado: Su repercusión en la satisfacción en el trabajo del docente universitário. GCG. Georgetown University – Universia (Vol. 5, n. 3, pp. 64-79, sep/dec).

Bruchini, C. & Lombardi, M. R. (1999). A bipolaridade do trabalho feminino no Brasil: o emprego doméstico e as “novas” ocupações. Mulher e Ocupação (Vol. 110, n.1, pp. 67-104).

Cappelle, M. C. A., Mello, M. C. O. L., Brito, M. J. M., & Brito, M. J. (2004) Uma análise da dinâmica do poder e das relações de gênero no espaço organizacional. RAE- eletrônica (Vol. 3, n. 2, Art. 22, jul./dez.).

Cardoso, P. A., & Amorin, M. C. C. (2010). Liderança e âncoras de carreira: uma experiência de identificação dos perfis dos líderes. Revista do Programa de Estudos Pós-graduados em Administração – FEA. (Vol. 25, Issue 1, pp. 61-78).

Carvalho, M. P. F. S., Carvalho, J. L. F. S., & Carvalho, F. A. (2001) O ponto de vista feminino na reflexão ética: histórico e implicações para a teoria de organizações. Enanpad, 25, Anais de Congresso. [CD-ROM.]

Carvalho Neto, A. M., Tamure, B., & Andrade, J. (2010). Executivas: Carreira, maternidade, amores e preconceitos. RAE-eletrônica. (Vol.. 9, n. 1, Art. 3, jan./jun.)

Creswell, J. W. (2007). Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. (2a ed.). Porto Alegre: Artmed.

Davel, E., Machado, H. V. (2001) A dinâmica entre liderança e identificação: sobre a influência consentida nas organizações contemporâneas. RAC (Vol.. 5, n. 3, set./dez., pp. 7-126).

Gary, S., Carter, D., & Franit, D. (2010) What doWe Know About Women on Boards? Journal of Applied Finance (Vol. 20, n.2, set., pp. 27-39).

GIL, A. C. (2002). Como elaborar projetos de pesquisa. (4a ed.). São Paulo: Atlas.

_____. (1994). Metodologia do ensino superior. São Paulo: Atlas.

Godoi, C. K., Bandeira-de-Melo, R., Silva, A. B. (orgs.) (2006). Pesquisa qualitativa em estudos organizacionais: paradigmas, estratégias e métodos. São Paulo: Saraiva.

Grzybovski, D., Boscarin, R., & Migott, A. M. B. (2002). Estilo feminino de gestão em empresas familiares gaúchas. RAC (Vol.. 6, n. 2, maio/ago. pp. 185-207).

Helfat, C. E., Harris, D., & Wolfson, P. (2006). The pipeline to the top: women and men in the top executive ranks of u.s. corporations. Academy of Management Perspectives. November.

Hersey, P., & Blanchard, K. H. (1986). Psicologia para administradores: a teoria e as técnicas da liderança situacional. São Paulo: EPU.

IBGE-Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2008). Perfil das mulheres responsáveis pelos domicílios no Brasil 2000. Departamento de População e Indicadores Sociais. Rio de Janeiro: IBGE.

Lakatos, E. M., Marconi, M. A. (2001). Metodologia do trabalho científico: procedimentos básicos, pesquisa bibliográfica, projeto e relatório, publicações e trabalhos científicos (5a ed.). São Paulo: Atlas.

Lima, G. S., Lima, M. S., & Tanure, B. (2009). Os desafios da carreira da mulher executiva no Brasil. II Encontro de Gestão de Pessoas e Relações de Trabalho. Curitiba – PR.

Lodi, J. B. (1999). Fusões e aquisições: o cenário brasileiro. Rio de Janeiro: Campus.

Melo, H. P., Considera, C. M., & Di Sabatto, A. (2007). Os afazeres domésticos contam. Economia e Sociedade, 16 (3), pp. 435-454.

Malhotra, N. K. (2005). Introdução à pesquisa de marketing. São Paulo: Prentice Hall.

Mourão, T. M. F., & Galinkin, A. L. (2008). Equipes gerenciadas por mulheres: representações sociais sobre gerenciamento feminino. Revista Psicologia: Reflexão e Crítica (Vol. 21, n. 1, pp. 91-99).

Ouimet, G. (2003). Estratégias de poder e atores desprovidos de recursos. RAC (Vol. 43, n.1, pp. 1-11).

Rafferty, A. E., & Griffin, M. A. (2004). Dimensions of transformational leadership: Conceptual and empirical extensions. The Leadership Quarterly (Vol. 15, n. 3, pp. 329-354).

Riche, L. (2009). A influência dos estilos de liderança nas empresas familiares. HSM Management (Vol.. 5, n. 67, pp. 67-122).

Robbins, S. P. (2002). Comportamento organizacional. São Paulo: Pierce Prentice Hall.

Souza, C. (2012). A neoempresa, a - o futuro da sua carreira e dos: negócios no mundo em reconfiguração. São Paulo: Integrare.

_____. (2007). Você é o líder da sua vida? São Paulo: Sextante.

Tannenbaum, R., & Schmidt, W. (1986). Como escolher um padrão de liderança. In: Coleção Harvard de Administração (vol. 5). São Paulo: Abril.

Tanure, B. Carvalho Neto, A. M., & Andrade, J. (2007). Executivos: sucesso e (in)felicidade. Rio de Janeiro: Campus Elsevier.

Weick, K. (1995). Sensemaking in Organizations. London: Sage Publications.

Weathersby, G. (1999). Leadership vs. management. In.: Management Review (Vol. 88, p. 5).




DOI: https://doi.org/10.7769/gesec.v4i2.175

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Elaine Cristina Oliveira Rocha Nogueira, Edson Keyso de Miranda Kubo

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

GeSec - Revista de Gestão e Secretariado | São Paulo, São Paulo, Brasil | e-ISSN:2178-9010

Para referências:

R. G. Secr., GESEC.

Esta Revista está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia