Reflexo do planejamento tributário no endividamento das empresas não financeiras listadas na Brasil Bolsa Balcão (B3)

Ayanna Karoline da Fonseca, Deylane Mendes Sirqueira, Risolene Alves de Macena Araújo, Inajá Allane Santos Garcia

Resumo


O objetivo deste estudo é investigar qual o reflexo do planejamento tributário no endividamento das empresas não financeiras listadas na B3. Para isso, utilizou-se o método da Regressão Quantílica e uma amostra com dados em painel, composta sob duas concepções do planejamento tributário: taxa de imposto efetiva (ETR) e ETR desembolsada (ETRCash). Sob a perspectiva da ETR, observou-se que, no menor quantil, empresas mais agressivas fiscalmente são menos endividadas do que aquelas que adotam planejamento tributário moderado. Enquanto, considerando a ETRCash, observou-se que  práticas de planejamento fiscal agressiva estão associadas ao endividamento das empresas dos quantis menores. Acredita-se que tais empresas, mesmo não sendo favorecidas com altos créditos de terceiros, se utilizam do endividamento como estratégia para pagar menos tributos.


Palavras-chave


Brasil Bolsa Balcão (B3); Endividamento; Planejamento Tributário; ETR; ETRCash.

Texto completo:

PDF

Referências


Aggarwal, R. (1994). International differences in capital structure norms: an empirical study of large European companies. MIR: Management International Review, 34, 5-18.

Araújo, R. A. de M. (2017). Reflexo do nível de agressividade fiscal sobre a rentabilidade de empresas listadas na BM&FBOVESPA e NYSE. Dissertação de mestrado. João Pessoa, PB, Brasil.

Araújo, R. A. de M., & Leite, P. A. M., Fº. (2019). Reflexo do nível de agressividade fiscal sobre a rentabilidade de empresas listadas na B3 e NYSE. Revista Universo Contábil, 14(4), 115-136.

Armstrong, C. S., Blouin, J. L., & Larcker, D. F. (2011). The Incentives for Tax Planning. Journal of Accounting and Economics, 53(1), 391-411.

Assaf, A., Neto. (2013). Curso de administração financeira. São Paulo: Atlas.

Badertscher, B., Katz, S. P., & Rego, S. O. (2013). The separation of ownership and control and corporate tax avoidance. Journal of Accounting and Economics, v. 56, n. 2-3, p. 228-250, 2013.

Balakrishnan, S., & Fox, I. (1993). Asset specificity, firm heterogeneity and capital structure. Strategic Management Journal, 14(1), 3-16.

Barbosa, A. C. (2010). Estrutura de capital e fatores determinantes do endividamento: um estudo do setor de energia elétrica brasileiro no ano de 2007. Dissertação de Mestrado, Brasília, DF, Brasil.

Barclay, M. J., & Smith Jr, C. W. (1995). The maturity structure of corporate debt. the Journal of Finance, 50(2), 609-631.

Bastos, D. D., & Nakamura, W. T. (2009). Determinantes da estrutura de capital das companhias abertas no Brasil, México e Chile no período 2001-2006. Revista Contabilidade & Finanças - USP, 20 50), 75-94.

Bauer, A. M., Fang, J., Pittman, J., Zhang, Y., & Zhao, Y. (2015). The importance of aggressive tax planning to the diversion of corporate resources: Evidence from Chinese public firms. Retrieved November, 16, 2019, from https://papers.ssrn.com/sol3/papers.cfm?abstract_id=2586818

Bispo, J. S, Calijuri, M. S. S., Casella, B., & Lima, I. S. (2009). A importância dos dados contábeis para a relação entre carga tributária, tamanho e setor econômico das empresas brasileiras. RIC - Revista de Informação Contábil. 3(3), 25-43.

Blouin, J. (2014). Defining and Measuring Tax Planning Aggressiveness. National Tax Journal, 67(4), 875-900.

Brito, R. D., & Lima, M. R. (2005). A escolha da estrutura de capital sob fraca garantia legal: o caso do Brasil. Revista Brasileira de Economia, 59(2), 177-208.

Cameron, A. C., & Trivedi, P. K. (2009). Microeconometrics using stata. College Station, TX: Stata press, 23(4), 1-6.

Carpes, A., & Frederico, C. (2018). Análise bibliometrica da produção científica brasileira sobre planejamento tributário. Recuperado em 15 de janeiro, 2020, de https://rd.uffs.edu.br/bitstream/prefix/2626/1/FREDERICO.pdf

Cerize, N. M. F. (2017). A influência da estrutura de controle na agressividade fiscal. Dissertação de mestrado. Vitória, ES, Brasil.

Chen, S., Chen, X., Cheng, Q., & Shevlin, T. (2010). Are family firms more tax aggressive than non-family firms? Journal of Financial Economics, 95(1), 41-61.

Chiachio, V. F. O., & Martinez, A. L. (2019). Efeitos do Modelo de Fleuriet e Índices de Liquidez na Agressividade Tributária. Revista de Administração Contemporânea, 23(2), 160-181.

Chyz, J. A., Leung, W. S. C., Li, O. Z., & Rui, O. M. (2013). Labor unions and tax aggressiveness. Journal of Financial Economics, 108(3), 675-698.

Cloyd, C. B., Pratt, J., & Stock, T. (1996). The use of financial accounting choice to support aggressive tax positions: Public and private firms. Journal of Accounting research, 34(1), 23-43.

Correia, A. G., & de Moura Ganzarolli, T. F. (2019). Endividamento e Alavancagem Financeira. Id on Line Revista Multidisciplinar e de Psicologia, 13(43), 593-613.

Daher, C. E. (2004). Testes empiricos de Teorias Alternativas sobre a Determinação da Estrutura de Capital das Empresas Brasileiras. Dissertação de Mestrado. Brasília, DF, Brasil.

Desai, M. A., & Dharmapala, D. (2006). Corporate tax avoidance and high-powered incentives. Journal of Financial Economics, 79(1), 145-179.

Dunbar, A., Higgins, D., Phillips, J., & Plesko, G. (2010). What do measures of tax aggressiveness measure. In Proceedings of the National Tax Association Annual Conference on Taxation, 103(103),18-26.

Dyreng, S. D., Hanlon, M., & Maydew, E. L. (2008). Long-run corporate tax avoidance. Accounting Review, 83(1), 61–82.

Edward, A., Schwab, C., & Shevlin, T. (2015). Financial constraints and cash tax savings. The Accounting Review, 91(3), 859-881.

Fabretti, L. C. (2012). Contabilidade Tributária (12ª ed). São Paulo: Atlas.

Fernández-Rodríguez, E., & Martínez-Arias, A. (2014). Determinants of the effective tax rate in the BRIC countries. Emerging Markets Finance and Trade, 50, 214-228.

Ferreira, G. M., & de Souza, L. M. (2018). Planejamento Tributário: tendências de pesquisas nacionais e internacionais. Apresentado no XII Congresso ANPCONT, João Pessoa, PB, Brasil.

Giannini, S., & Maggiulli, C. (2002). The effective tax rates in the EU Commission study on corporate taxation: Methodological aspects, main results and policy implications. CESifo Working Paper, 666(1) 1-29.

Gomes, A. P. M. (2016). Características da Governança Corporativa como Estímulo à Gestão Fiscal. Revista Contabilidade & Finanças - USP, 27(71), 149-168.

Graham, J. R., & Tucker, A. L. (2006). Tax shelters and corporate debt policy. Journal of Financial Economics, 81(3), 563-594.

Greco, M. A. (2008). Planejamento tributário. São Paulo: Dialética.

Hanlon, M. (2005). The persistence and pricing of earnings, accruals, and cash flows when firms have large book-tax differences. The accounting review, 80(1), 137-166.

Hanlon, M., & Heitzman, S. (2010). A review of tax research. Journal of Accounting and Economics, 50(2–3), 127–178.

Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação (IBPT) (2018). Empresas listadas na bolsa de valores estão entre os maiores devedores de impostos no Brasil. Recuperado em: 15 de maio, 2019, de https://ibpt.com.br/noticia/2646/EMPRESAS-LISTADAS-NA-BOLSA-DE-VALORES-ESTAO-ENTRE-OS-MAIORES-DEVEDORES-DE-IMPOSTOS-NO-BRASIL

Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação (IBPT) (2019). Por que as empresas devem fazer uma análise do impacto tributário a cada ano? Recuperado em: 15 de maio, 2019, de https://ibpt.com.br/noticia/2771/Por-que-as-empresas-devem-fazer-uma-analise-do-impacto-tributario-a-cada-ano

Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) (2015). As distorções de uma carga tributária regressiva. Recuperado em: 15 de maio, 2019, de http://www.ipea.gov.br/desafios/index.php?option=com_content&id=3233

Katz, S. P., Khan, U., & Schmidt, A. (2013). Tax avoidance and future profitability. Columbia Business School Research Paper, (13-10). Recuperado em 27, Janeiro, 2020, de https://papers.ssrn.com/sol3/papers.cfm?abstract_id=2227149

Kayo, E. K., Patrocínio, M. R., & Martin, D. M. L. (2009). Intangibilidade e criação de valor em aquisições: o papel moderador do endividamento. Revista de Administração-RAUSP, 44(1), 59-69.

Koenker, R. (2005). Quantile regression. Cambridge University Press, 349.

Kraft, A. (2014). What really affects German firms' effective tax rate?. International Journal of Financial Research, 5(3), 1-19.

Kume, H. (2019). Avaliação e reformulação da estrutura tarifária no Brasil. Pesquisa e Planejamento Econômico, 49(2), 7-31.

Lammersen, L. (2002). The measurement of effective tax rates: common themes in business management and economics. Discussion Paper, 02-46. Recuperado em: 15 de maio, 2019, de ftp://ftp.zew.de/pub/zew-docs/dp/dp0246.pdf

Lazăr, S. (2014). Determinants of the variability of corporate effective tax rates: Evidence from Romanian listed companies. Emerging Markets Finance and Trade, 50, 113-131.

Lima, F. B., & Duarte, A. M. P. (2007). Planejamento Tributário: instrumento empresarial de estratégia competitiva. Qualitas Revista Eletrônica, 6(1).

Lopes, T. (2012). Custos Políticos Tributários: O impacto do tamanho na alíquota tributária efetiva. Tese de Doutorado. São Paulo, SP, Brasil.

Mamede, S. D. P. N., Nakamura, W. T., Nakamura, E. A. M. V., Jones, G. D. C., & Jardim, J. R. D. P. S. (2017). Empresas brasileiras estatais e não estatais: uma análise das relações de endividamento. Revista Evidenciação Contábil & Finanças, 5(2), 4-22.

Martinez, A. L., & Salles, A. F. (2018). Agressividade tributária e cash holdings: Um estudo das companhias abertas brasileiras. Revista de Contabilidade da UFBA, 12(3), 4-23.

Martinez, A. L., Ribeiro, A. C., & Funchal, B. (2015). The sarbanes oxley act and taxation: a study of the effects on the Tax Aggressiveness of Brazilian Firms. Apresentado no XV Congresso USP Controladoria e Contabilidade. São Paulo, SP, Brasil.

Martins, L. F. de C. (2014). O planejamento tributário como ferramenta de gestão nas empresas comerciais varejistas de Varginha/MG. Dissertação de Mestrado. Pedro Leopoldo, MG, Brasil.

Medeiros, O. R., & Daher, C. E. (2008). Testando teorias alternativas sobre a estrutura de capital nas empresas brasileiras. Revista de Administração Contemporânea, 12(1), 177-199.

Megarani, N., Warno, W., & Fauzi, M. (2019). The effect of tax planning, company value, and leverage on income smoothing practices in companies listed on Jakarta Islamic Index. Journal of Islamic Accounting and Finance Research, 1(1), 139-162.

Mills, L. F. (1998). Book-tax differences and Internal Revenue Service adjustments. Journal of Accounting research, 36(2), 343-356.

Modigliani, F., & Miller, M. H. (1963). Corporate income taxes and the cost of capital: a correction. The American economic review, 53(1), 433-443.

Parente, P. S. P. (2011). Os Comportamentos Empresariais e a Evasão Fiscal – Classificação das Empresas da Indústria dos Componentes para Calçado. Dissertação de Mestrado. Porto, PT, Portugal.

Paste, E. Jr. (2017). Eficiência das empresas e agressividade tributária: evidências do Brasil. Dissertação de Mestrado. Vitória, ES, Brasil.

Paula, D. G. (2018). O planejamento tributário como instrumento de competitividade empresarial. Revista de Finanças Públicas, Tributação e Desenvolvimento, 6(7), 16-32..

Perez, M. M., & Martins, R. D. C. S. (2005). Decifrando a geração de valor ao acionista. Apresentado no Encontro Nacional da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Administração. Brasília, DF, Brasil.

Pohlmann, M. (2005). Contribuição ao estudo da classificação interdisciplinar da pesquisa tributária e do impacto da tributação na estrutura de capital das empresas no Brasil. Tese de Doutorado. São Paulo, SP, Brasil.

Pohlmann, M. C., & De Iudícibus, S. (2010). Relação entre a tributação do lucro e a estrutura de capital das grandes empresas no Brasil. Revista Contabilidade & Finanças, 21(53), 1-25.

Rajan, R. G., & Zingales, L. (1995). What do we know about capital structure? Some evidence from international data. The Journal of Finance, 50(5), 1421-1460.

Ramalhosa, M. M. C. (2015). Determinantes da Taxa Efetiva de Imposto: Análise Econométrica do Setor Automóvel em Portugal. Dissertação de Mestrado, Porto, PT, Portugal.

Rashid, H., Anderson, M. & Warsame, H. (2019). Financial Security Issuance and Cash Savings through Tax Planning. Recuperado em: 31 de janeiro, 2020, de https://scholarspace.manoa.hawaii.edu/handle/10125/64923?mode=full

Rego, S. O., & Wilson, R. (2012). Equity risk incentives and corporate tax aggressiveness. Journal of Accounting Research, 50(3), 775-810.

Rezende, A. J., Dalmácio, F. Z., & Rathke, A. A. T. (2019). Avaliação do impacto dos incentivos fiscais sobre os retornos e as políticas de investimento e financiamento das empresas. Revista Universo Contábil, 14(4), 28-49.

Rezende, G. P.; Nakao, S. H. Gerenciamento de resultados e a relação com o lucro tributável das empresas brasileiras de capital aberto. Revista Universo Contábil,8(1), 6-21, 2012.

Sant’Ana, J. A. A. (2001). A relação entre endividamento e rentabilidade nas empresas brasileiras de 1996 a 2000. Contabilidade, Gestão e Governança, 4(2), 109-133.

Santana, S. L. L. (2014). Planejamento tributário e o valor da firma no mercado de capitais brasileiro. Dissertação de mestrado. São Paulo, SP, Brasil.

Santos, M. A. C., Cavalcante, P. R. N., & Rodrigues, R. N. (2013). Tamanho da firma e outros determinantes da tributação efetiva sobre o lucro no Brasil. Advances in Scientific and Applied Accounting, 6(2), 179–210.

Shackelford, D. A., & Shevlin, T. (2001). Empirical tax research in accounting. Journal of accounting and economics, 31(1), 321-387.

Shevlin, T. (1999) A Critique of Plesko’s “An Evaluation of Alternative Measures of Corporate Tax Rates”. University of Washington.

Silva, A. D. F., & Valle, M. R. D. (2008). Análise da estrutura de endividamento: um estudo comparativo entre empresas brasileiras e americanas. Revista de Administração Contemporânea, 12(1), 201-229.

Silva, F. P., & Maciel, D. C. M. (2014). Análise do Impacto da FIN 48, Do Fasb, No Montante de Tributos Apurado Sobre o Lucro das Empresas Brasileiras Pela Ótica da Teoria dos Custos Políticos. Apresentado no Congresso USP de Controladoria e Contabilidade. São Paulo, SP, Brasil.

Silva, J. R. D. M., de Ávila, L. A. C., & Malaquias, R. F. (2013). Tipos e intensidade de serviços prestados por escritórios de contabilidade: uma análise da prestação de serviços de planejamento tributário. Revista de Contabilidade do Mestrado em Ciências Contábeis da UERJ, 17(3), 60-77.

Stickney, C. P., & McGee, V. E. (1982). Effective corporate tax rates the effect of size, capital intensity, leverage, and other factors. Journal of accounting and public policy, 1(2), 125-152.

Tang, T. Y. H. (2005). The Market Perception of BTD: an empirical study in China’s capital markets. The Accounting Review. 1-37. Recuperado em: 28 de janeiro, 2020, de https://papers.ssrn.com/sol3/papers.cfm?abstract_id=927167

Terra, P. R. S. (2007). Estrutura de capital e fatores macroeconômicos na América Latina. Revista de Administração, 42(2), 192-204.

Vello, A. P. C., & Martinez, A. L. (2014). Planejamento tributário eficiente: uma análise de sua relação com o risco de mercado. Revista Contemporânea de Contabilidade, 11(23), 117–140.

Wilkie, P. J. (1992) Empirical evidence of implicit taxes in the corporate sector. The Journal of the American Taxation Association, 14, (1), 97.




DOI: https://doi.org/10.7769/gesec.v12i2.1191

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2021 Ayanna Karoline da Fonseca, Deylane Mendes Sirqueira, Risolene Alves de Macena Araújo, Inajá Allane Santos Garcia

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

GeSec - Revista de Gestão e Secretariado | São Paulo, São Paulo, Brasil | e-ISSN:2178-9010

Para referências:

R. G. Secr., GESEC.

Esta Revista está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia